Versão Impressa

Jornal A Hora

Pensar Teutônia

Publicada em 24/05/2016

Administrar três centros urbanos desafia a gestão

Teutônia é o único município do Vale do Taquari a concentrar três bairros com características de centro. Eles mantêm peculiaridades que identificam as culturas e hábitos de cada um

Crédito: Maciel Delfino Formando o eixo municipal, o bairro Teutônia é considerado residencial e mantém marcas históricas
Formando o eixo municipal, o bairro Teutônia é considerado residencial e mantém marcas históricas

Desde a emancipação, os gestores públicos convivem com o desafio de ordenar três grandes centros com características e demandas distintas. O plebiscito de 24 de maio de 1981 uniu três distritos de Estrela para formar Teutônia.

A Couros Bom Retiro foi uma das primeiras empresas a se instalar em Canabarro. A oferta de emprego atraiu mão de obra de cidades vizinhas e caracterizou o bairro como o mais heterogêneo. O setor calçadista impulsionou a indústria local e o crescimento pôs Canabarro entre os maiores do Vale em número de moradores.

Languiru teve um dos primeiros centros comerciais instalados na rua 3 de Outubro. O armazém também deixou a marca que persiste faz 35 anos. O bairro concentra lojas, hotéis e as sedes administrativas das cooperativas Languiru e Sicredi. Também foi escolhido pelo setor imobiliário. O Edifício Imperador faz jus ao nome. Tem dez andares, o mais alto da cidade. O Centro Comercial Sollus é construção recente na rua 3 de Outubro e demonstra crescimento e inovação arquitetônica.

Povoado por imigrantes alemães, o bairro Teutônia é residencial e foi constituído a partir da produção primária. A Fundação Agrícola Teutônia foi a primeira a pleitear ensino e qualificação para o trabalhador e hoje é mantenedora do Colégio Teutônia. A localidade também é sede da Cooperativa Certel.

O prédio do Hospital Teutônia Norte é um dos monumentos históricos do bairro. Com início de atividades em 1936, funcionou até 1975, quando foi fechado. Hoje, a casa de saúde está abandonada. O Executivo desapropriou a área em 2014, mas ainda não definiu o que fazer com o local. A estrutura corre o risco de desabar e não pode ser reaproveitada. Uma das sugestões é transformar o local em área de lazer.

Demanda maior para Canabarro

Apesar da intenção de investir os recursos públicos de forma homogênea, o bairro Canabarro recebeu atenção especial nos últimos anos. O crescimento populacional demandou ampliação de escolas como Teobaldo Closs, que atende 650 alunos. No loteamento 8, a expansão foi intensa com a construção de 128 casas populares no residencial Morada do Sol, pelo Programa Minha Casa Minha Vida.

O número de estudantes na escola 24 de Maio disparou para 450 matrículas, o segundo maior quadro de alunos na cidade. O bairro também recebeu uma das três equipes de Estratégia de Saúde da Família distribuídas em Canabarro. Em todo município, há três Unidades Básicas de Saúde e um Centro Avançado.

“Proporcionalmente, tem muito mais ruas, pessoas e demanda. Por isso precisou de mais recursos. Mas buscamos ser justos com a distribuição dos investimentos”, destaca o prefeito Renato Altmann.

No bairro Teutônia, a construção do posto de saúde é um marco, assim como a retomada da distribuição de água. “Assumimos da Corsan e passamos a ofertar água com tarifa mais baixa que a anterior.”

Mobilidade urbana é a pedra no caminho

Conforme o prefeito Altmann, no cargo por dois mandatos, além dos pilares básicos como educação, saúde e segurança, a mobilidade urbana é o principal desafio. Apenas duas vias ligam aos três principais bairros. A Via Láctea e o trajeto pela Carlos Arnt em Canabarro, Estrada Velha e Estrada da Várzea que ligam a Languiru e Teutônia. “Em 2009 inauguramos a ligação de Canabarro e Languiru pela Estrada Velha e foi uma obra histórica. Acabou melhorando, mas tem muito a se fazer. Espero que possamos construir mais um trecho da avenida 1 Leste em direção a Canabarro como alternativa. Quem sabe construir um viaduto sobre a ferrovia e chegar até a Vila Esperança.”

Sobre pavimentação, o Executivo criou lei obrigando as loteadoras a calçarem as ruas com paralelepípedo ou blocos. A medida polêmica gerou críticas, mas qualifica as estradas antes da venda e ocupação dos moradores.

Leia mais

• Cooperativismo exala desenvolvimento

• Campo e cidade garantem a renda

• Cooperativismo: base sólida impulsiona o desenvolvimento

• Frota aumenta e número de acidentes dispara

• Colonizadores ensinaram a cantar e encantar

• Via Láctea não acompanha desenvolvimento

Notícias relacionadas
Teutônia

Precariedade de imóvel inviabiliza aulas

Prédio histórico que abrigava biblioteca pública está fechado faz pelo menos meio ano

Lajeado

Prefeito entrega projeto do rotativo ao Legislativo

Aviso segue, sem anular possibilidade de multa

Lajeado

HBB confirma a lotação máxima da UTI

Até o fim da tarde de ontem, problema também atingia o Setor de Emergência