Versão Impressa

Jornal A Hora

Estrela

Publicada em 20/04/2017

Corsan apresenta estudo sobre sistema de esgoto

Documento foi entregue na manhã de ontem

Crédito: Jéssica Taís Scheeren/Divulgação Estatal apresentou estudo técnico, que agora será analisado pela administração
Estatal apresentou estudo técnico, que agora será analisado pela administração

Dirigentes da Companhia Riograndense de Saneamento (Corsan) apresentaram um estudo técnico conceptivo do sistema de esgotamento sanitário do município. O documento foi entregue ao prefeito Rafael Mallmann e ao secretário do Meio Ambiente, Hilário Eidelwein. A proposta passa por avaliação a partir de agora.

O diretor de Expansão da Corsan, Marcus Vinicius Cabelon, afirmou alguns dados do estudo. De acordo com o prefeito, o encontro foi produtivo e mostrou evolução quanto ao impasse. “Agora temos um estudo. Vamos, junto com a Secretaria do Meio Ambiente, analisar o projeto, fazer ajustes e ver a viabilização de alguns pontos que possam não ter sido atendidos.”

De acordo com ele, caso aprovado, o processo terá prosseguimento e inicia busca por licenças ambientais. “Com elas em mãos e em conjunto com a estatal, partiremos para a elaboração de um plano de ação e cronograma de obras”, destacou.

Mallmann não deu prazo para início dessas etapas, mas garante que será tratado em regime de urgência.

Impasse

O contrato com a Corsan foi assinado em 2014 e prevê 25 anos para a companhia fazer um investimento de R$ 50 milhões e implementar um sistema de esgotamento sanitário. No mesmo período, outros R$ 15 milhões devem ser investidos para manter e qualificar o abastecimento de água na cidade.

Segundo Mallmann, cerca de 85% dos itens não foram atendidos. Na semana passada, o Executivo aguardava uma reunião com os dirigentes da Corsan, agendada para terça-feira da semana passada. O governo esperava a apresentação de uma reformulação do projeto, mas o encontro foi desmarcado a pedido da autarquia.

Com isso, a reunião mediada pelo Ministério Público, entre Município e Corsan, prevista para ocorrer na quarta-feira da semana passada, também foi cancelada. No encontro, o chefe do Executivo, esperava auxílio para determinar prazos e multas caso a companhia voltasse a descumprir o contrato..

Itens do contrato

Entre as exigências, a companhia deve ampliar em dez quilômetros as redes de água em pontos estratégicos de desenvolvimento. Apenas parte desse item foi atendido. Compreende área próxima à Rota do Sol, no loteamento Popular Novo Paraíso. Outros dois pontos não receberam investimentos.

Repavimentação de 10 mil metros quadrados de ruas danificadas com troca de tubulação.

Garantia do abastecimento de água nos novos loteamentos do município.

Redução em 50% da tarifa nos imóveis do município (postos de saúde e escolas), entre outros.

O governo de Estrela afirma que 85% dos pontos não foram cumpridos pela estatal.

Notícias relacionadas
Lajeado

Uso das gavetas traz dilema ao governo

Resta uma vaga no cemitério do Florestal. Prioridade será para associados das igrejas

Vale do Taquari

Projeto-piloto leva 30 mil estudantes para o teatro

Iniciativa quer estimular o gosto pelas artes

Sério

Hackers atacam portal da prefeitura de Sério

Desde 25 de abril, arquivos públicos estão bloqueados