Versão Impressa

Jornal A Hora

Lajeado

Publicada em 19/05/2017

Evento na Univates debate ética e bioética

Crédito: Divulgação Simpósio ocorreu nessa quarta-feira, no Centro Cultural da universidade
Simpósio ocorreu nessa quarta-feira, no Centro Cultural da universidade

O Teatro Univates foi palco de debate sobre ética na quarta-feira, 17. A atividade fez parte do 7º Simpósio Interdisciplinar de Saúde e Ambiente (Sisa). Foi coordenada pelos professores Marialva Sinigaglia e Fabiano Basso.

Doutora em Genética e Biologia Molecular (UFRGS), Marialva Sinigaglia debateu a ética na pesquisa oncológica e genética. A pesquisadora trouxe uma reflexão a respeito da integridade dos estudos. “Universidades e agências de fomento deveriam insistir na ética, destacá-la aos alunos.”

Marinalva trouxe exemplos de artigos fraudulentos e citou o caso da Fosfoetanolamina, substância conhecida como “pílula do câncer”, que não foi regulamentada. “O estudo não atende aos requisitos fundamentais para tornar eticamente aceitável o teste clínico de um novo medicamento.”

Mestre em Educação Física (Ufes) e voluntário da Nova Acrópole, Fabiano Basso falou sobre o tema de forma descontraída e interativa. Ele trouxe aos estudantes debates sobre a busca dos próprios objetivos. “O problema é que estamos buscando fora o que já está aqui dentro.”

O professor destacou que a ética profissional tem forte relação com o modo de vida. Segundo ele, é mais fácil seguir preceitos éticos quando somos observados. “Se tirarmos essas normas, continuaremos éticos?”

O evento seguiu ontem pela manhã, com a apresentação oral de trabalhos selecionados. À noite, uma mesa debateu o “Comitê de Ética em Pesquisa”. Após a atividade, o CTG Querência apresentou o Projeto Cultural Querência, Andança, Arte e Cultura, espetáculo que retrata bailes de estância do fim do século XIX.

Notícias relacionadas
Lajeado

Câmara apresenta três emendas para projeto do AI

PL do Executivo sobre rotativo deve ser votado na próxima semana

Lajeado

Governo pretende buscar crédito para pavimentações

Estudo prevê cerca de R$ 30 milhões para novas obras

Estrela

Em quatro anos, nove morrem eletrocutados

Juliano Pereira foi a última vítima. Ele morreu enquanto estava trabalhando, no Pinheiros