Versão Impressa

Jornal A Hora

Entrevista

Publicada em 17/06/2017

“Enquanto eu tiver fôlego, não penso em parar”

Atriz e diretora, Deborah Finocchiaro interpreta a personagem Maria faz mais de duas décadas

Atriz dedica quase metade dos seus 50 anos a contar o drama do personagem Maria. Na vida real, a rotina é diferente
Atriz dedica quase metade dos seus 50 anos a contar o drama do personagem Maria. Na vida real, a rotina é diferente

A peça Pois é, Vizinha (apresentada na Univates no dia 8) é resultado do trabalho de conclusão de curso de Interpretação Teatral da atriz Deborah Finocchiaro. Ela vive profissionalmente a personagem Maria desde 1993, um ano após se formar pela UFRGS. A porto-alegrense dedica quase metade dos seus 50 anos a contar o drama de Maria. Na vida real, a rotina de Deborah envolve outros desafios, como ela conta na entrevista a seguir.

Do que uma peça precisa para continuar atraindo público após mais de duas décadas em cartaz?

Deborah Finocchiaro – Eu acredito que é a atualidade do tema, que infelizmente é totalmente atual. Se trata de violência doméstica, e eu sempre penso que é uma violência contra o ser humano. E tem a qualidade do trabalho, com certeza, a persistência. O que eu atribuo a essa constância do trabalho é a dedicação. E o público adora, as pessoas morrem de rir, mas é uma peça que remete à reflexão, que cria identificação com o espectador. Ela contribui efetivamente para a transformação e é isso que norteia o nosso trabalho.

Em geral, qual o perfil do público do Pois é, Vizinha?

Deborah – Ah, de tudo. Eu faço peças para todos os tipos de público. Já vi de tudo que você pode imaginar: gente que nunca tinha ido ao teatro, analfabetos, milionários. Tudo!

Se trata de violência doméstica, e eu sempre penso que é uma violência contra o ser humano.” – Deborah Finocchiaro

Tirar as pessoas da frente do computador e levá-las ao teatro é um problema?

Deborah – É um problema cada vez mais agravado, porque cada vez mais as pessoas têm medo de sair, têm de se expor, de se relacionar. Então, acho que esse é o nosso trabalho também, de ir rompendo esses limites, essas barreiras. E temos que criar essa necessidade. Muita gente nunca foi ao teatro; é diferente do cinema. O teatro tem um agravante: se o cara foi e viu uma peça ruim, dificilmente ele vai voltar. A gente tem a obrigação de levar coisas de qualidade, daí, se o cara vai e gosta, ele vai querer ir sempre, e isso é lindo de ver!

O que você prevê para a peça Pois é, Vizinha? Por quanto tempo ela ainda deve ficar em cartaz?

Deborah – Ah, meu amor, nem sei te responder. Enquanto eu tiver fôlego, não penso em parar.

Notícias relacionadas
Teutônia

Tradicionalistas preparam encontro

Ponto máximo do 1º Acampamento Farroupilha será no dia 20, no desfile cívico com CTGs e CCT

Estrela

“Se a palavra não ajuda, abraça”

Escritor Fabrício Carpinejar falou sobre afetividade em encontro das Apaes realizado ontem em Estrela

Encantado

Rodeio bate recorde de participantes

Grupos tradicionalistas do estado participaram do evento sediado pelo Anita Garibaldi