Versão Impressa

Jornal A Hora

Agronotícias

Publicada em 24/09/2017

Empoderadas, elas assumem o comando

De acordo com informações da Secretaria do Desenvolvimento Rural, Pesca e Cooperativismo (SDR), 50% das agroindústrias presentes no Pavilhão da Agricultura Familiar eram comandadas por mulheres.

Crédito: Giovane Weber Maria gerencia a agroindústria de derivados de cana-de-açúcar. Com apoio da Emater, a família conseguiu abandonar a produção de fumo
Maria gerencia a agroindústria de derivados de cana-de-açúcar. Com apoio da Emater, a família conseguiu abandonar a produção de fumo

Maria Ceni da Costa, de Bom Retiro do Sul, utiliza a estufa de fumo para processar as geleias, rapaduras, melado e schmiers. Após 13 anos na fumicultura, o marido buscou emprego na cidade e ela assumiu a gerência da propriedade. A primeira decisão foi diversificar e apostou na produção leiteira. “Produzir schmier era um hobby. Com ajuda da Emater, legalizei o processo”, conta.

Toda matéria-prima é oriunda da propriedade. Carambola, goiaba, laranja, melancia-de-porco, physalis, tudo vira ingrediente para novas receitas. São quatro hectares de cana-de-açúcar. “Produzir alimentos, de forma natural e sem agrotóxicos, faz bem para todos, não só para meu bolso, mas principalmente para a saúde de quem consome”, afirma.

Ele me ajuda em tudo, mas sou eu quem negocia preços e busca novos clientes. O segredo é ter conhecimento e força de vontade.” – Maria Ceni da Costa, produtora

Apesar de o marido ter voltado para ajudar na lavoura após se aposentar, quem cuida dos negócios é Maria. “Ele me ajuda em tudo, mas sou eu quem negocia preços e busca novos clientes. O segredo é ter conhecimento e força de vontade”, destaca.

A poucos quilômetros da residência de Maria, moram os apicultores Germano e Nelci Weidle. Mantêm 300 colmeias. Cada quilo de mel é vendido a R$ 23. “É um remédio natural, sem contraindicações”, diz Weidle.

Nelci é outro exemplo de que a mulher pode sim auxiliar tanto no trabalho como na gerência dos negócios. Na ausência do marido, é ela quem faz todo serviço de cuidar das abelhas e colher o mel. “Aprendi com ele. Meu marido me dá essa liberdade e tudo é decidido em conjunto”, observa.

As mulheres são responsáveis por 45% da produção de alimentos no Brasil e nos países em desenvolvimento
As mulheres são responsáveis por 45% da produção de alimentos no Brasil e nos países em desenvolvimento
Crédito: Giovane Weber

“Tem muitos sacrifícios, mas é gratificante”

Cirley Lorenzeti é responsável pela agroindústria Sabores da Montanha desde 2005. A moradora de Pinto Bandeira mudou sua realidade quando resolveu apostar no empreendedorismo. “Me casei aos 19 anos e desde antes já sabia que eu queria bem mais que viver só na colônia. Foi então que eu decidi utilizar os produtos que plantava para abrir o meu próprio negócio”, afirma.

De geleias a frutas desidratadas, a empreendedora aproveita para comercializar os seus produtos em feiras e eventos de agroindústria. “Eu perco alguns momentos com a família, mas vale a pena. É importante que a mulher tenha isso em mente se quiser começar uma agroindústria. Tem muitos sacrifícios, mas ver o resultado é muito gratificante”, reconhece.

A empreendedora Iracema Konzen, da Agroindustrial Tigre, concorda e afirma que é preciso ter pulso firme. “Tem que ter muita força de vontade e organização. Uma mulher que comanda uma agroindústria familiar não pode baixar a bola, tem que estar sempre olhando para frente”, aconselha a moradora de Arroio do Tigre, que comanda a empresa da família faz 15 anos.

Aumento da oferta de alimentos

De acordo com estudos da Organização das Nações Unidas (ONU), além de justiça social, o empoderamento da mulher do campo pode representar um aumento de 30% na produção agrícola e garantir a segurança alimentar do planeta.

Na agroindústria, o homem se envolve mais com a produção de matéria-prima, enquanto as mulheres procuram participar de capacitações.” – José Alexandre Rodrigues, diretor da SDR

O diretor de Agricultura Familiar e Agroindústria da SDR, José Alexandre Rodrigues, explica que as mulheres se diferenciam na hora de buscar mais conhecimento sobre o setor. “Na agroindústria, o homem se envolve mais com a produção de matéria- prima, enquanto as mulheres procuram participar de capacitações e novas técnicas de comércio, levando mais informações para o crescimento do negócio”, esclarece.

Segundo a Secretaria Especial de Agricultura Familiar e do Desenvolvimento Agrário (Sead) do governo federal, as mulheres são responsáveis por 45% da produção de alimentos no Brasil e nos países em desenvolvimento. Quase tudo o que lucram, 90%, reinvestem na educação e no bem-estar da família. Trabalham cerca de 12 horas semanais a mais que os homens, mas somente 20% são proprietárias das terras onde produzem.

 

Notícias relacionadas
Agronotícias

Banana vira salgadinho e suco de cactos previne artrite

Na Expointer, outro destaque são os produtos inovadores que conquistaram o paladar de quem está em busca de … Leia mais

Agronotícias

Geleia de cebola roxa

Elaborada pela acadêmica do 8º nível do curso de Engenharia de Alimentos da Universidade de Passo Fundo (… Leia mais

Agronotícias

Orgânicos carecem de divulgação para elevar vendas

A Coopernatural foi criada em 2004 e tem 28 associados, todos instalados em Picada Café. As agroindústrias … Leia mais