Versão Impressa

Jornal A Hora

Agronotícias

Publicada em 02/11/2017

A arte de moldar o aço

O técnico em Manutenção Industrial, André Zago, de Arroio do Meio, transforma um hobby em negócio. A produção de facas artesanais ajuda a aumentar a renda e a manter uma tradição secular.

Crédito: Giovane Weber Molas de trem, discos de arado e serras se transformam em facas artesanais
Molas de trem, discos de arado e serras se transformam em facas artesanais

Na oficina nos fundos de casa, em Arroio do Meio, o técnico em Manutenção Industrial, André Zago, 32, mantém uma tradição secular, a arte de moldar o aço para fabricar facas artesanais. Parte fundamental da indumentária do gaúcho, além de ferramenta essencial na lida no campo, a arte de moldar o aço ajuda a incrementar a renda.

A paixão pela profissão nasceu após um curso de Tecnologia Mecânica. “Aprendi as composições do aço, tipos de tratamentos térmicos e como moldar”, recorda. Com lâminas fabricadas a partir de molas de trem, disco de arado, tesoura de esquila e outras fontes, as facas, adagas e até espadas são confeccionadas uma a uma. “São obras únicas, carregadas de carinho pelas tradições do nosso estado”, menciona.

O ofício é praticado nas horas de folga e aos fins de semana. São fabricadas em média oito peças por mês. A maioria é destinada para cortar carne de churrasco, utilização na lida do campo, rodeios, cavalgadas ou no dia a dia da cozinha para descascar, tornear, filetar, desossar ou trinchar.

A lâmina é polida e afiada manualmente. A ponta pode ser pontiaguda ou mais rombuda, serrilhada ou de bico curvo. O cabo é feito de madeira de lei, aço, couro prensado e até mesmo de chifre. É fundamental que, além de resistente, seja ergonômico para que a empunhadura seja perfeita, ensina. “Os modelos eu desenho à mão. Nunca se faz uma faca igual a outra. Para que fossem iguais, teríamos de ter tecnologia. E não temos. Todo processo é feito na base do fogo, do martelo e da bigorna”, explica.

Nascida da chama da forja, a lâmina toma forma após muitas marretadas, que criam resistência e força na arma que surge. Entre uma hora e meia e até semanas de trabalho, mais uma peça fica pronta.

É uma profissão que exige muita paciência tanto na criação e fabricação como no retorno financeiro. A qualidade do acabamento é uma conquista e é aperfeiçoada com a prática.” – André Zago, cuteleiro

Segundo Zago, a parte mais prazerosa é ver a faca forjada. “Dá a certeza de que o trabalho valeu a pena e deu certo”, frisa. Durante a fabricação, os itens de segurança como protetor auricular, máscara de pó, avental, luvas e calçados de couro são obrigatórios. “Existe risco de queimaduras, cortes, esmagamento, cegueira e até surdez. Qualquer descuido pode ser fatal”, alerta.

O preço varia de acordo com o material utilizado. Os modelos artesanais comuns exigem menos esforço. Um disco de arado já tem formato achatado e, uma vez cortada, a peça só precisa ser endireitada, perdendo o formato abaulado original. Com cerca de duas horas de trabalho, o produto final está pronto, com preço a partir de R$ 120.

A inspiração para a criação dos modelos vem de fontes diversas – pedidos de clientes, revistas, sugestões de amigos cuteleiros, internet, revistas e até filmes.

Segundo Zago, as dúvidas e experiências são divididas entre amigos profissionais e amadores. “Temperatura ideal, matéria-prima, acabamentos. Somos muito unidos e dividimos o trabalho no dia a dia. Isso traz novas ideias e ajuda a manter a tradição de forjar o aço e transformar em arte”, explica.

Passo a passo

1º – Desenhar o formato no papel.
2º – Escolher a matéria-prima e com uma espécie de maçarico cortar a peça de acordo com o modelo projetado.
3º – Passagem da peça no esmeril, com o objetivo de aparar imperfeições.
4º – A faca é colocada na forja, uma fornalha de alta temperatura, que pode chegar a 1.200ºC.
5º – A peça é colocada na bigorna onde começa a ser moldada com o auxílio de um martelo.
6º – Volta para o esmeril para corrigir imperfeições.
7º – Começa a produção do cabo, serviço feito à parte.
8º – É feita a colocação do cabo e dos adereços na faca.
9º – A faca é afiada e está pronta para o uso.

Saiba mais

Na Idade Média, cidades como Toledo (Espanha), Sheffield (Inglaterra), Solingen (Alemanha) e Thiers (França) eram polos da cutelaria. No Brasil, embora o primeiro registro da atividade remeta ao ferreiro português Bartolomeu Carrasco, que teria instalado uma oficina às margens do Rio Jurubatuba, no litoral paulista, a fabricação de facas só viria a despontar a partir de 1718, na localidade de Pasmado (PE).

Notícias relacionadas
Agronotícias

Produtores cultivam menor área da história

Estado plantará apenas 730 mil hectares de milho. Queda brusca no preço motivou recuo. Monocultura pode … Leia mais

Agronotícias

Novos pontos de venda fortalecem a produção agroecológica

Feiras ajudam a incrementar as vendas e a divulgar os benefícios dos vegetais cultivados sem agrotóxicos. … Leia mais

Agronotícias

Leite de cabra ganha espaço no mercado

Produtores apostam na venda do produto in natura, iogurtes e queijos. De qualidade nutricional, conquista … Leia mais