Versão Impressa

Jornal A Hora

Estrela

Publicada em 14/11/2017

Município regulamenta transporte urbano

Legislação norteará projeto-base elaborado para licitar serviços

Crédito: Cássia Paula Colla Moradores de Novo Paraíso reivindicaram investimentos no recapeamento asfáltico e no combate ao borrachudo
Moradores de Novo Paraíso reivindicaram investimentos no recapeamento asfáltico e no combate ao borrachudo

A câmara aprovou projeto que regulamenta o sistema de  transporte coletivo urbano no município. A proposta compõe uma das etapas necessárias para encaminhar a licitação do serviço. Um estudo técnico da área está em andamento.

A medida regra aspectos ligados à frota  utilizada,   condições  de manutenção,  conservação  e  idade  e  outros elementos que  garantam  qualidade no serviço prestado para a sociedade.

As determinações estarão presentes em contratos futuros estabelecidos entre poder público   e operadoras. O documento estabelece parâmetros  de medição  de  custos, políticas  de  controle  de  receitas  e  regulamentação de subsídios e gratuidades que possam impactar na tarifa.

De acordo com o secretário de Planejamento, Paulo Finck, o documento vai trazer as diretrizes para desenvolver o projeto base. “Para licitar o serviço, precisamos ter uma legislação que traga este regramento, até hoje, ela não existia.” Hoje, assim como em diversas cidades da região, o transporte público em funcionamento não foi licitado.

Uma empresa foi contratada para fazer o estudo do sistema de transporte. Parte dos dados será apresentada em reunião nesta quinta-feira. “Nesta análise teremos informações sobre a idade da nossa, número de passageiros, itinerários e se o número de linhas existente precisa ser reformulado.”

Critérios

O projeto determina que a frota oficial pode ter idade máxima de fabricação de 12 anos para operação de  linhas urbanas e 15 linhas  distritais e ser equipada  com  itens de  acessibilidade.

Além disso, devem conter equipamentos de controle de acesso de passageiros com roleta mecânica ou roleta eletrônica. Todos os veículos terão que passar por vistoria do município antes de iniciar as atividades.

Liga apresenta trabalho

A tribuna livre foi ocupada pela  Liga Feminina de Combate ao Câncer. A vice-presidente, Anelise Hausmann, atua como voluntária faz 15 anos. Segundo ela, uma série de eventos promovidos com outras instituições captam recursos para a Liga. “Este ano, está mais difícil. A crise também chegou para nós. Hoje tivemos que reduzir o número de pessoas que recebem ajuda por conta da queda nas nossas receitas.”

A entidade tem mais de R$ 4 mil em despesas e não tem uma renda fixa. Pelo menos, 58 pessoas são auxiliadas todos os meses e outras 28 que pedem apoio eventualmente.”

Recuperação asfáltica

Moradores de Novo Paraíso estiveram na câmara e reivindicaram melhorias na estrada. Imperfeições e buracos no asfalto fazem parte do trajeto e prejudicam o deslocamento das 310 famílias que residem na localidade. Outro problema é o excesso do mosquito borrachudo. O grupo pede investimentos na infraestrutura e no combate ao inseto.

Para mostrar insatisfação lideram um protesto amanhã, às 9h. A comunidade alega que a administração municipal abandonou as localidades do interior com a falta de investimentos. O vereador Volnei Zancanaro (PR), apoia o movimento.

O A Hora abordou o problema faz duas semanas. O asfaltamento da estrada foi feito faz quase 20 anos.  A última operação tapa-buracos ocorreu há dois anos. Na reportagem o secretário de Obras, Cristiano Nogueira, disse que neste ano o município não tem recursos para recuperar o trecho.

Cássia Paula Colla: [email protected]

Notícias relacionadas
Marques de Souza

Prefeito reduz custos. Economia garante compra de máquinas

Cerca de R$ 2 mi foram usados para comprar retroescavadeiras e caminhão

Encantado

Memorial relembra Olimpíada

Iniciativa marca um ano da passagem da tocha pela cidade

Lajeado

Governo sanciona lei tapa-buraco feita pela câmara

Projeto estipula prazos para manutenção nas vias públicas