Versão Impressa

Jornal A Hora

Editorial

Publicada em 14/07/2017

Jornalismo é envolvimento com a comunidade para a qual ele fala

A Hora promoveu ontem mais uma edição do projeto Pensar o Vale. O debate ocorreu na Univates e abordou o momento de incertezas pelas quais passa a cadeia produtiva do leite. A atividade está presente em todos os municípios do Vale.

Por esse motivo, é fundamental informar a comunidade sobre as medidas necessárias para garantir a sobrevivência da produção. Com a presença de autoridades, especialistas e agentes públicos, o debate superou as barreiras regionais e colocou o Vale do Taquari no foco estadual em termos de busca de soluções à crise que ameaça a continuidade das famílias rurais na atividade.

O setor leite é vital para a região, estado e país. Com base nisso, o posicionamento editorial do A Hora adota como uma das prioridades a abordagem dessa temática. Fazer jornalismo pressupõe envolvimento com a comunidade onde o veículo está inserido.

Tanto que o assunto leite tem espaço cativo nas páginas do periódico desde o início da sua história que completa 15 anos neste mês. Desde 2006, quando o jornal acompanhou a primeira comitiva regional que foi à Galícia, na Espanha, A Hora publica reportagens especiais, promove debates e incentiva a permanente profissionalização, desde as propriedades até a industrialização e comercialização.

Os recentes avanços no volume e na qualidade de produção colocam o Vale como uma das principais bacias leiteiras do estado. Ganhou ainda mais força com a reforma editorial iniciada em 2008, documento que solidificou os critérios de noticiabilidade para a redação do A Hora.

O setor leite é vital para a região, estado e país. Com base nisso, o posicionamento editorial do A Hora adota como uma das prioridades a abordagem dessa temática.”

Mas o fato é que o mercado volátil e desregulado faz com que o preço pago ao produtor oscile. Como impacto, abre-se um deserto social. Um risco de empobrecimento das famílias rurais e, consequentemente, danos na macroeconomia.

A falta de uma política pública bem definida afeta o setor. A abertura desenfreada das porteiras da importação de leite, aliada a incentivos tributários a empresas multinacionais, faz o governo do Estado caminhar na contramão dos produtores e cooperativas.

O Instituto Gaúcho do Leite (IGL), que surgiu para ordenar e organizar a cadeia, foi desestruturado por interesses ocultos. Sucumbiu diante do protecionismo de organizações e setores que resistem em criar um modelo padrão e coletivo, para valorizar produtores e empresas gaúchas. Nesse contexto, a primeira função de um jornal é informar, voltado ao interesse comum. Uma atividade que alcança complexidade na medida em que o veículo ganha em capilaridade dentro da região na qual ele atua. Com o debate do Pensar o Vale, A Hora reforça seu compromisso com o Vale do Taquari.

Notícias relacionadas
Agronotícias

Pintor virou empresário

Everson Dias, de Teutônia, pintava mais de 70 carros por mês. No entanto, a possibilidade de ser dono do pr… Leia mais

Agronotícias

Geleia de cebola roxa

Elaborada pela acadêmica do 8º nível do curso de Engenharia de Alimentos da Universidade de Passo Fundo (… Leia mais

Agronotícias

A cada três dias, surge um novo empreendimento

“Agora temos renda garantida, não precisamos mais nos esconder na informalidade e podemos expandir nosso … Leia mais