Versão Impressa

Jornal A Hora

Editorial

Publicada em 19/05/2017

Lava-Jato avança e encurrala o governo

A Operação Lava-Jato continua impiedosa e se fortalece como mecanismo contumaz para combater a corrupção no Brasil. Avante! Ainda que resvalos e exageros tenham sido cometidos ao longo destes anos todos de investigação, os acertos são infinitamente maiores e o serviço prestado ao Brasil não tem precedentes.

Os episódios recentes, que atingiram com força mais uma leva do alto escalão de Brasília, são exemplo clássico. Desta vez, Michel Temer, o presidente tampão, e o senador Aécio Neves aparecem em denúncias e gravações devastadoras.

Pouco mais de um ano depois do impeachment, a aguardada estabilidade política não aconteceu e a delação premiada da JBS encurralou o chefe do Planalto. As condições de governabilidade e a possibilidade de continuar à frente da nação se esvaem com as denúncias que correm o país e o mundo.

Mesmo com a gravidade dos fatos, Michel Temer decidiu não renunciar ao cargo, ainda que essa seria, aparentemente, a melhor decisão a ser tomada a favor do Brasil. Mas Temer preferiu resistir, tentar provar sua inocência e continuar gozando do foro privilegiado, visto que já foi denunciado no STF.

Os fatos e rumos da Operação Lava-Jato desnudam uma verdade inconveniente. Cada novo ato assemelha-se mais a um roteiro de seriado norte-americano, um tapa na cara da sociedade. Seja qual for o partido, especificamente nas grandes siglas como PMDB, PSDB, PT, PP, há relações espúrias. A sede pelo poder ultrapassa os limites éticos e legais.

O alto escalão político do país dita os rumos a partir de interesses pessoais e oportunistas. As manifestações de parlamentares da base de apoio após o pronunciamento do presidente retratam a triste realidade.

A frágil economia do país, no cenário pré-divulgação do encontro de Temer com Joesley, dava sinais de recuperação. Nesta semana, durante a Marcha dos Prefeitos, números apontavam índices positivos na geração de emprego, mais otimismo por parte dos investidores e a expectativa de fechar o ano com uma inflação abaixo dos 4 pontos.

Mas ainda era pouco para euforia, como trouxe editorial publicado nessa quarta-feira. Dia depois do “estouro” de Brasília, cabe a remissão. “A instabilidade política ainda interfere no comportamento dos investidores, apesar das sinalizações de reformas que agradam o mercado, a fragilidade nas relações políticas e a chance de mais nomes fortes do governo aparecerem nas investigações da Lava-Jato, podem interferir nesse quadro.” No mercado internacional, o impacto foi imediato. Logo após o pronunciamento de Temer, o dólar comercial teve alta de 8,3%, cotado em R$ 3,39, e a bolsa brasileira caiu 8,8%.

Neste novo momento de crise política, os números mostram que se acentuou o risco de o país entrar em um novo ciclo recessivo. Ao longo do dia, foi preciso recorrer ao circuit breaker, mecanismo que trava as negociações em caso de instabilidade no mercado. Essa foi a primeira vez desde 2008 que a ferramenta precisou ser usada.

Diante de tamanhas denúncias e instabilidade, precisam ser ignoradas as paixões e emoções ideológicas e partidárias para manter a ordem e viabilizar a continuidade de trabalho das polícias, MP e Judiciário. A Operação Lava-Jato mais uma vez se confirma isenta. É sobre ela que a sociedade brasileira continua depositando a esperança e a confiança para varrer a corrupção que corrói os cofres públicos do país.

Notícias relacionadas
Soges

Informe Comercial Soges

Segunda fase inicia neste sábado A primeira fase da Copa Soges de Futebol 7 encerrou no fim de semana com a … Leia mais

Encantado

Rodeio bate recorde de participantes

Grupos tradicionalistas do estado participaram do evento sediado pelo Anita Garibaldi

Filosofia de vida

Retiro interioriza busca pelo equilíbrio

Retiro ocorre em Daltro Filho. Programação conta com palestras e ensinamentos sobre terapias holísticas