Versão Impressa

Jornal A Hora

Abre Aspas

Publicada em 03/06/2017

Nossas crises de cada dia

O momento me parece apropriado, ou talvez ele seja bem inapropriado, para falar de crise. Nosso país vive uma importante crise política e econômica, algo que imagino nos livros de história nos próximos anos. Esse cenário aumenta a produção de textos, a expressão de opiniões e questionamentos acerca do fim e a finalidade de tudo isso.

Minha proposta com este texto escapa um pouco, ou bastante, disso. Quero propor uma ideia de crise a partir da perspectiva filosófica, mais precisamente a partir do húngaro Peter Pál Pelbart, filósofo, professor e residente no Brasil. Para esse autor, a crise é um começo, uma espécie de decisão, uma origem que cria um espaço e um tempo próprios.

O que ele defende é que a crise faz emergir possibilidades e outros campos e cenários, como algo que dispara a/à movimentação, e que desestabiliza. A partir da crise, somos mobilizados a coisas outras. Outros comportamentos, outras relações, outras formas de pensar são questionados. A angústia gerada pela crise, vista por muitas ciências (até mesmo pela psicologia) como algo a ser eliminado, pode ser sim potência para que algo aconteça.

Acredito que esse entendimento e essa relação que fizemos entre aquilo que nos incomoda com algo a ser estancado ou eliminado é uma construção bem contemporânea, embasada por uma lógica de produção. Sentimos a falta de tempo e de ar, tudo não nos é suficiente.

Convivemos com um desespero por “correr atrás” o tempo todo. O movimento de parada e reflexão que a crise exige, bem como a improdutividade que nos toma quando estamos angustiados, estão totalmente desalinhados com essa necessidade que sentimentos de “dar conta”, de produzirmos o máximo no menor tempo possível.

O exercício de problematizarmos “o porquê da crise ser tão ruim assim” precisa ser ensaiado. Talvez as crises e as angústias nossas de cada dia precisam ser olhadas de uma forma diferente, não para serem eliminadas, mas para que saibamos, de alguma forma, usá-las como potencializadores, como combustível para as mudanças necessárias, principalmente as dentro de nós mesmos.

Fernanda Nicaretta
Psicóloga e Mestranda
em Psicologia Social e Institucional
CRP 07/24198

Notícias relacionadas
Automobilismo

Piloto de Estrela vence etapa do Rally dos Sertões

Os competidores ainda têm pela frente quatro etapas até sábado

Soges

Informe Comercial Soges

Segunda fase inicia neste sábado A primeira fase da Copa Soges de Futebol 7 encerrou no fim de semana com a … Leia mais

Lajeado

Palestra aborda relacionamento familiar

Psicólogo Vilnei Varzim esteve na comunidade evangélica de Lajeado nesse fim de semana