Versão Impressa

Jornal A Hora

Opinião

Gilberto Soares Gilberto Soares

Coluna aborda temas do cotidiano, política e economia. Escreve duas vezes por mês, sempre aos sábados.

Publicada em 15/07/2017

Novo PAC terá Minha Cela Minha Vida

a_hora_ilustração 14-07-17

“Os ladrões de galinha sempre olham os arrombadores com um certo respeito. ”  – Código dos Homens Honestos, Honoré de Balzac

Nunca antes na História deste país um presidente havia sido condenado criminalmente. Também, pela primeira vez, um presidente em exercício é denunciado e pode ser processado por crime comum. Episódios inquietantes da democracia balzaquiana cristalizados no impeachment da inédita ex-presidente. Uma história anunciada desde a renúncia do caçador de marajás. A lista desses ilustres governantes tem nomes sobrenomes conhecidos pela influência nas vidas de brasileiros e brasileiras. Luiz Inácio Lula da Silva, Michel Miguel Lullias Temer, Dilma Vana Roussef e Fernando Affonso Collor de Mello. Até aqui, sobreviveram as reputações de Tancredo Neves, que não assumiu, José Sarney Itamar Franco e Fernando Henrique Cardoso, de uma discutida reeleição.

CORTE – Na aristocracia cleptocrata do Pindorama, nobres e vassalos trocaram as colunas sociais pelas policiais e agitam o dia a dia das cadeias brasileiras. O despudor franquia regalias ao ex-governador Sérgio Cabral, detento da cadeia pública José Frederico Marques. Em vídeo recente da polícia, o presidiário carioca flana entre as grades tal qual outro chefe de facção. O que as denúncias revelam sobre os próximos personagens é de arrepiar. Nelas, Cunha atemoriza a governabilidade de Temer, assim como Marcola do PCC ameaça a segurança pública. Pior. A relação entre o presidente da República e o ex-presidente da Câmara se mantém, segundo a denúncia relatada pelo deputado Sergio Zveiter à CCJ, sob a garantia da grana do só agora criminoso Joesley Batista. Lamentável, mas o relatório foi rejeitado sob o peso de liberações de emendas parlamentares e afagos com cargos. Nesse vai e vem incessante, as tornozeleiras eletrônicas viraram objetos do desejos.

RAPINAGEM – Perguntas óbvias como valor da honra, por exemplo, são cada vez mais difíceis de responder. E atenazam pais e educadores premidos pela realidade de figuras públicas poderosas, habituadas em transformar palácios de governo em covis de pavorosas transações. Haja retórica para provar que homem de bem é o oposto desses contumazes predadores do tesouro. Com essa rotina, só o inesperado impede a tragédia completa. Uma surpresa como a operação Lava-Jato, que ganhou reconhecimento por enquadrar a malandragem de colarinho branco. Daí para a sangria prevista pelo arguto Romero Jucá é só uma questão de tempo. Pouco, espera-se.

O novo só vem com o fim da corruptocracia consagrada pela duradoura impunidade.”

TROICA – O feliz encontro de um procurador-geral da República com um juiz de primeira instância e jovens promotores rompeu a crosta até então impenetrável do status quo. Rodrigo Janot, Sérgio Moro e Delton Dallagnol – e equipe –, compuseram uma troica até então improvável e apresentaram o Justiça para todos. Persistiram e, hoje, a Lava-Jato comemora resultados que cruentas revoltas criadas para tornar os homens mais iguais neste país procuraram sem encontrar.

FAKES – Ainda nesta semana, Delton Dallagnol reclamou das mentiras que grassam nas redes sociais. Tem razão. Fakes disseminam-se na velocidade de um clique e as pessoas não analisam – muito menos cotejam – o que recebem. Apenas compartilham a desinformação. Já a imprensa tradicional mantém a exposição permanente de malfeitos. Investiga, critica e não dá trégua ao político de carteirinha. A democracia agradece a consistência do trabalho em Curitiba e a transparência do amplo trabalho jornalístico. São luzes essenciais sobre relações espúrias e falácias oficiais.

JOGO – Na quarta-feira, quando foi divulgada sentença de Moro para Lula, caiu o dólar e a bolsa subiu. Analistas comemoraram – com moderação –, o “descolamento” da economia da política. Será? Um setor no qual grassa a especulação não depende de sentenças de primeira instância. É jogo, mesmo.

PAC – Com tanta figura insignes nas (e a caminho das) cadeias, o presidente Temer poderia criar o seu – dele – PAC. Sugiro começar por Minha Cela Minha Vida. Daria um jeito nas masmorras do Patropi, limparia a barra com os direitos humanos e arrumaria lugar decente para a nobre turma que vem aí.

Notícias relacionadas
Soges

Informe Comercial Soges

Alexandre Peralta marca o gol mil Aos 12min28seg do segundo tempo, Alexsandro Peralta, atacante do Kururus GR… Leia mais

Ciclismo

Prova de Encantado reuniu cem ciclistas na quarta etapa do Gaúcho

Evento ocorreu no fim de semana e movimentou diversos pontos da cidade

Estrela

Oficinas de Alimentação Saudável envolvem crianças, jovens e adultos

Iniciaram na semana passada as Oficinas de Alimentação Saudável, oportunizadas pela Secretaria do … Leia mais