Versão Impressa

Jornal A Hora

Opinião

Adair Weiss Adair WeissDiretor geral do A Hora

Coluna com visão empreendedora, de posicionamento e questionadora sobre as esferas públicas e privadas.

Coluna publicada aos sábados
Publicada em 17/06/2017

Os exemplos remontam a 1844 e traduzem esperança de futuro

WhatsApp-Image-2017-06-16-at-17.53.14-780x480

O feriado do dia 15 de junho tem a marca do trabalho coletivo. Não apenas em Encantado, mas no Vale do Taquari e no RS, a força da união faz história. A Dália Alimentos celebrou 70 anos em grande estilo, nessa quinta-feira. E, ao que tudo parece, a história está apenas começando.

Me permitam, caros leitores, fazer um pouco de apologia, pois é impossível ficar indiferente e não se contagiar com o modelo cooperativo, ainda mais quando olhamos para os americanos e seu enorme grau de sucesso mundial por meio dessa prática. Estamos diante de algo poderoso e alentador para quem acredita no trabalho em grupo. E o melhor: acontece aqui na região, há décadas.

Assim como em várias cidades gaúchas e do Brasil, o modelo se perpetua e fortalece. A Dália demonstra isso na prática. Com a presença de dois, dos 387 fundadores, ainda vivos, além de familiares, funcionários e líderess regionais, estaduais e nacionais, a cooperativa traduziu o legado em solenidade especial. Homenageou – lado a lado – conselheiros, funcionários e ex-ministros que dedicaram sua vida profissional e social ao cooperativismo nas últimas décadas.

Da união de pequenos tecelões nasceu um dos mais bem-sucedidos modelos econômicos e sociais, multiplicados no mundo. A Dália traduz na prática esse legado.”

Os presidentes, executivo e social, Carlos Alberto de Figueiredo Freitas e Gilberto Piccinini, respectivamente, declinaram do discurso costumeiro e, sentados, utilizaram de uma conversa para trocar ideias e lembranças acerca da história e dos propósitos desde a fundação da cooperativa.

03_AHORA

A dinâmica singular dos dirigentes foi sucedida por discursos curtos, porém, envolventes. Rubino Reinheimer se despediu do conselho. Relatou o espírito empreendedor e contagiante do presidente fundador, João Batista Marchese, com quem “teve a honra de trabalhar”. “Foi um homem que espalhava entusiasmo e encorajava a todos”, comentou. Rubino pediu apoio e garantiu que a despedida não significa “virar as costas” à cooperativa. “Pelo contrário, estamos juntos, pois a união faz a força”.

O ex-ministro Roberto Rodrigues usou da experiência em viagens a mais de 80 países para reafirmar sua convicção no cooperativismo. Destacou o diferencial, em qualquer modelo vencedor, como sendo as pessoas. “Precisamos de gente. Gente idônea, comprometida e disposta a compartilhar o progresso”. Para Rodrigues, nenhum país, região ou empresa se desenvolve sem pessoas com esse propósito.

Outro ex-ministro, Francisco Turra, atentou para as oportunidades vindouras com a falta de comida no planeta. “O Brasil é um celeiro e precisamos da carne forte das nossas cooperativas”, comentou, em resposta ao recente episódio envolvendo a Operação Carne Fraca. Turra chamou atenção para a capacidade de organização e aglutinação, especialmente, nas pequenas comunidades, o que, na sua opinião, é essencial para enfrentar as grandes multinacionais sem a mesma preocupação.

As homenagens e honrarias foram seguidas até as 21h, quando os escritores Charles e Tania Tonet apresentaram o livro Destemidos. A obra com mais de 300 páginas resgata a história do cooperativismo desde a origem, na Inglaterra, nos idos anos de 1844, quando um pequeno grupo de crianças e adolescentes – tecelões –, dava início à maior mudança nas relações de trabalho. Nascia então a cooperação entre trabalhadores. “Estava inaugurado um novo mundo”, escreve Tania no livro que coroou o evento alusivo às sete décadas.

Como bem disse a autora, “não é apenas mais um livro de uma empresa”. A obra insere a Dália num contexto maior e explica por que o cooperativismo é um modelo tão bem-sucedido em nossa volta e no mundo.

Ainda não li todo o livro, mas pretendo mergulhar nessa fascinante história de quase dois séculos e, dos quais, a Dália e as demais cooperativas da região, estado e país – de alguma maneira – estão inseridas. E o mais saudável é que tudo isso nos permite ter esperança em um modelo de negócios mais equilibrado e socialmente justo.

Para finalizar, alguns talvez se perguntem por que a coluna abre tamanho espaço para as comemorações de uma empresa. Me permito valer da autora do livro e parafrasear uma convicção pessoal: não se trata apenas de uma empresa. E sim, de um modelo de negócios – incluindo as demais cooperativas – que faz história na nossa região. Envolve milhares de empregos, no campo e na cidade. Gera e distribui renda com mais igualdade, protege nossa matriz econômica, especialmente dos pequenos produtores e nos permite sonhar mais longe. E, talvez nisso, Turra esteja mais à frente, ao enxergar as oportunidades latentes para uma região que produz alimentos.

Vida longa ao cooperativismo! Parabéns, Dália e a todos que acreditam na união de forças para prosperar!

Notícias relacionadas
Automobilismo

Piloto de Estrela vence etapa do Rally dos Sertões

Os competidores ainda têm pela frente quatro etapas até sábado

Encantado

Rodeio bate recorde de participantes

Grupos tradicionalistas do estado participaram do evento sediado pelo Anita Garibaldi

Soges

Informe Comercial Soges

Segunda fase inicia neste sábado A primeira fase da Copa Soges de Futebol 7 encerrou no fim de semana com a … Leia mais