Versão Impressa

Jornal A Hora

Opinião

Gilberto Soares Gilberto Soares

Coluna aborda temas do cotidiano, política e economia. Escreve duas vezes por mês, sempre aos sábados.

Publicada em 06/05/2017

Os rios, o silêncio e a porteira

Crédito: Gilberto Soares À mulher de César não basta ser honesta, deve parecer honesta
À mulher de César não basta ser honesta, deve parecer honesta

“Se tens que lidar com água, consulta primeiro a experiência, depois a razão.” Leonardo da Vinci

Era um guri quando aprendi que os rios cumprem um destino da nascente à foz, onde atenuam um pouco do sal do mar. Uma exceção, desconhecida por mim na época, corta São Paulo. Dá significado a Sampa, “que ergue e destrói coisas belas”, na definição tristemente correta nos versos de Caetano Veloso. Tietê é o nome desse rio – “água verdadeira” em tupi. Deixa de ser “água de verdade” ao ser tocado pelo desvairio da pauliceia – com a licença de Mario de Andrade. Na capital, vaga como serpente putrefata da marginal. Como a vida é feita de surpresas, o mar não recebe o Tietê; nem a morte consegue aprisioná-lo. A natureza carrega-o para o Interior, onde revive com o vigor dos titãs superiores à pequenez dos homens.

ESTRADA – O Taquari – “rio das taquaras” para os kaingangs –, foi a estrada natural da colonização desta região. Por anos – duros anos pioneiros –, manteve o elo essencial de um Estado carente de infraestrutura. Moveu o crescimento no embarque e desembarque nos portos com jeito de atracadouros, no navegar dos vapores e no sobe e desce das engenhosas maxambombas. Sábia pela necessidade premente, a gente de então dominou o primitivo tendo o rio como protagonista e construi o lugar para viver.

Acomodada a ânsia de vencer o inculto, o progresso disseminou-se desigual nas carrocerias dos caminhões. Menos em São Paulo, que combinou caminhos. Lá, o Tietê ligado ao Paraná, formou uma hidrovia decisiva para o escoamento de soja, farelo de soja, milho e cana-de-açúcar. São mais de 2.000km, dos quais, o rio paulista contribui com 450km de seus trechos navegáveis.

Aqui, gastam-se incontáveis milhões com uma duplicação de péssima qualidade. Pior: que estará defasada quando for concluída – rezemos. Sobra nada para uma hidrovia que compartilhe o peso da carga que sobe e desce pela BR-386. Por esse descaso, Taquari tem o destino de Aquelau, rio-deus grego, derrotado por Hércules na disputa por Dejanira – criada pelo ódio dos homens às enchentes e à violência de suas águas. A falta de interesse pelo óbvio levanta a suspeita de um projeto de parcos lucros à corruptocracia especializada em asfalto. Triste ver que o Taquari, fundamental ao vale que herdou seu nome segue rumo pouco visto e ignorado por quem lhe devia respeito e reverência. Em vez de voltar a ser estrada e brilhar como um patrimônio fundamental, esgueira-se como uma nulidade até se misturar silente ao Jacuí.
VELHACO – As administrações públicas – useiras e vezeiras na cobrança de “pautas positivas” à imprensa – já não me causam surpresa como fontes de más notícias. Até por isso, meus butiás continuaram nos bolsos quando ouvi a “última” no Gaúcha Atualidade. No programa matinal, os locutores enalteciam uma notícia de Santa Catarina. Admiravam-se com a nova lei que restitui o valor do IPVA pago por proprietários de veículos roubados ou furtados, durante o período em que esses ficam sem o bem. Elogiaram até serem alertados da existência de lei semelhante neste querido Rio Grande. Querido Estado velhaco pela publicidade pródiga em apolagias e silenciosa quando de interesse do cidadão. Sonegar a grana devida para “fazer caixa” é mais um desserviço de um ente, que deveria ter a leveza do etéreo, mas pesa pra burro.

ESTÁ CERTO! ESTÁ? – Gilmar Mendes, ministro do Supremo Tribunal Federal (STF), adora posar de rebelde – embora sempre ao lado do status quo. Chegado nos rapapés da corte, ignora a distância profilática que deveria manter dos integrantes do núcleo do poder executivo sob a mira da Lava-Jato. Soma polêmicas e gera dúvidas, mesmo quando está certo. Parece lixar-se para o provérbio: “À mulher de César na basta ser honesta, deve parecer honesta”. Nesta semana, juntamente com Dias Tofoli e Ricardo Lewandowski, soltou José Dirceu. Antes, acolhera os habeas corpus de José Carlos Bumlai e João Claudio Genu. Havia uma demasia no confinamento de ambos – e, no Brasil, a regra é que o réu deva cumprir pena a partir de segunda instância.

Acertou nas decisões, embora impopulares. Ao STF resta mostrar que não se escancarou a porteira.

Notícias relacionadas
Lajeado

Município muda sistema de pavimentação

Projeto é reencaminhado ao Legislativo e pode ir à votação na sessão de hoje

Lajeado

Falta de licença adia início da duplicação

Secretário estadual assinou ordem de serviço no dia 13 de abril, mas obra não começou

Internacional

Zago tem a semana cheia para treinar

O grupo colorado terá uma semana importante de trabalhos antes do próximo desafio da Série B. Depois de uma… Leia mais