Versão Impressa

Jornal A Hora

Opinião

Rodrigo Martini Rodrigo MartiniJornalista

Coluna aborda os bastidores da política regional e discussão de temas polêmicos

Coluna publicada às quintas-feiras
Publicada em 07/09/2017

Pobre Brasil!

A Polícia Federal demorou para contabilizar a grana nas malas ligadas a Geddel Vieira Lima, ministro no governo de Lula, vice-presidente da Caixa Federal na gestão de Dilma Rousseff, braço direito do ilegítimo Michel Temer e elogiado – outrora – por novos grupos políticos, como o MBL. Pobre Brasil. Carente de justiça, de exemplos e de até de bons “companheiros”.

Geddel é um necessário tapa na cara de boa parte dos brasileiros. Para que aprendam um pouco mais sobre a corrupção histórica que não começou com o PT. Geddel é, da mesma forma, um tapa na cara de quem ainda se atreve a defender certos ícones desse mesmo PT. O partido que, se não iniciou, tampouco fez questão de encerrar com práticas nocivas ao nosso dinheiro.

O caso envolvendo o ex-ministro é o retrato da nossa política. Depravada. Corrupta, sim. Tal como boa parte da nossa Justiça. Viciada em dinheiro, viciada na reeleição – sucessão familiar, no caso dos magistrados – e nas benesses garantidas pelo alto poder que insistimos em dar aos nossos imprevisíveis – ou mais do que previsíveis – agentes públicos.

“Solto, Geddel pode ‘escamotear/esconder’ propina”, afirmava o juiz Vallisney de Souza Oliveira, da 10ª Vara Federal, ao mandar prender o ex-ministro em 3 de julho. Pouco mais de uma semana e recebeu direito à prisão domiciliar graças ao desembargador Ney Bello, do Tribunal Regional Federal da 1ª Região. Nessa terça-feira, as malas de dinheiro.

O caso envolvendo o ex-ministro é o retrato da nossa política. Depravada. Corrupta, sim.”

Os números são assustadores. O tesouro supostamenete de Geddel naquele bunker sem mobília era de R$ 51 milhões em espécie. Imagine quanta gente envolvida – e agora desesperada – com o flagrante da PF! E a pergunta que não quer calar: como ele consegue acumular tanto dinheiro vivo sem conhecimento prévio das autoridades monetárias?

Imagine quantos destinatários, quantos “acionistas” estão ligados àquela dinheirama toda. “Follow the money”, e as surpresas serão ainda mais desagradáveis para certos militantes. E eu fico aqui, rindo baixo e imaginando se quem optou por votar contra a investigação do presidente ilegítimo ficará “na mão” após esse “sequestro” da PF.

Mas não é momento para risos. Mesmo os mais irônicos. Pois se é deprimente perceber o tamanho do fundo do poço em que se encontra nossa política, é tão ou mais desolador lembrar de nossas eternas mazelas. Faltam médicos, hospitais. Segurança pública! São pífios os investimentos em escolas. Salários de servidores públicos são vergonhosamente parcelados. E onde estão as obras de infraestrutura?

Geddel estava com R$ 51 milhões encaixotados em um apartamento. E, ao que tudo indica, tal montante não é qualquer novidade na vida desses agentes.

Ao usarmos um pouco da matemática social – a grosso modo, claro –, nosso drama é mais aflitivo. Os R$ 51 milhões poderiam custear um ano de saúde básica para 36 mil pessoas, conforme os gastos médios do governo, hoje estimados em R$ 3,89 por dia para cada paciente. Ou mesmo quitar o ensino anual de 8,4 mil alunos do Ensino Médio.

Geddel tinha o suficiente dentro do apartamento para pagar uma vida inteira de trabalho de centenas de brasileiros. E por que esse tipo de criminoso continua “solto”?


Errar voto marca a paleta!

A tucana Mariela Portz está lá de forma legítima. Estreou entre as mais votadas. Mas nessa terça-feira cometeu uma gafe cuja repercussão nos bastidores vem sendo imperdoável. Ela errou o voto, e acabou eliminando de uma emenda uma alínea com a qual ela concordava. A vereadora lajeadense já demonstrou boas ações de fiscalização e pró-atividade. Mas o desconcertante erro ficará marcado.


O Vale das laranjas

Laranja-de-umbigo, laranja-seleta, laranja-lima, laranja-pêra e até laranja-japonesa. Tem laranja para todos os gostos e bolsos. A fruta mais preciosa para certos gestores é a laranja. Impressionante como gostam de laranja. Escancaradamente. O que nos falta é certos órgãos de vigilância e investigação atentarem melhor para os fatos e menos para os bolsos das próprias corporações ou de familiares.


Tiro curto

– Na próxima terça-feira, em Brasília, ocorre nova reunião sobre a crise do leite no estado. O encontro. articulado pelos deputados Edson Brum (PMDB) e Alceu Moreira (PMDB), ocorre no Palácio do Planalto, a partir das 15h, com a presença de representantes da Casa Civil e dos ministérios da Fazenda e da Agricultura. Fetag e IGL foram convidados;

– Ex-presidente do Democratas (DEM) em Lajeado, Fábio Fraga filiou-se ao Partido Novo. Mesmo discordando de posições políticas-sociais, sou obrigado a elogiar sua postura. Ele deixou o DEM logo após o deputado federal, Onyx Lorenzoni, admitir ter recebido Caixa 2;

– Secretário da Cultura de Lajeado, Carlos Reckziegel (PSDB) anuncia na próxima terça-feira os detalhes da preparação do Natal 2017 em conjunto com a CDL;

– A primeira audiência do Plano Estadual de Saneamento deve ocorrer no segundo semestre de 2018. E o estudo já encomendado pelo Comitê Gestor da Bacia Hidrográfica Taquari-Antas custará R$ 400 mil;

– Em Estrela, comentários entre funcionários da prefeitura dão conta de que áreas públicas do Porto ficarão na mão de agentes políticos para exploração da cobrança de estacionamento durante a Multifeira. Em eventos anteriores, houve cobrança até em vias públicas;

– O fechamento aos domingos da rua Santos Filho, em Lajeado, está mais próximo de ocorrer. Isidoro Fornari, do Setor de Projetos Especiais, já iniciou conversação com grupos de ciclistas e Departamento de Trânsito;

– A reforma da Casa do Morro, em Cruzeiro do Sul, já gera discussões. Grupos se posicionaram contra a retirada das antigas mesas e bancos de concreto, levados para o parque poliesportivo da cidade. Vou esperar cenas do próximo capítulo antes de opinar. Bom feriado a todos!

O maior estímulo para cometer faltas é a esperança de impunidade.
Cícero

 

Notícias relacionadas
Beleza

Saiba quando substituir os produtos de beleza

A maquiagem pode estragar antes do prazo de validade. Veja por quantos meses cada produto pode ser utilizado

Agronotícias

Safra ruim impacta no preço da farinha

Além da quantidade menor, cereal também tem problemas de qualidade e parte da safra será destinada à ra… Leia mais

Fala, Doutor

Gastrite: conheça as causas, sintomas e tratamentos

Gastrite é a inflamação, infecção ou erosão do revestimento do estômago. Pode durar pouco tempo, a … Leia mais