Versão Impressa

Jornal A Hora

Pensar Teutônia

Publicada em 24/05/2016

Cooperativismo: base sólida impulsiona o desenvolvimento

Veia cooperativista é referência. Mais de 80% das pessoas estão ligadas a uma das cinco instituições estabelecidas no município. Presidentes realçam o valor das parcerias

O pórtico da cidade, pela Rota do Sol, anuncia a terra do cooperativismo. Entre as cinco em funcionamento na cidade, três (Languiru, Certel e Sicredi) são protagonistas no cenário estadual. Cooperagri e Comatra completam o conjunto. Elas formam a base na produção de alimentos, energia, provedor de internet, artefatos de cimento, crédito financeiro e transporte, gerando emprego e renda no estado.

A Languiru começou atividades em 1955 a partir de um plantel com 174 agricultores, visando a venda de alimentos estocados. Hoje são seis mil famílias associadas, gerando 2.850 empregos diretos e indiretos. Cinco supermercados, dois em Teutônia, um em Poço das Antas, Bom Retiro do Sul e o mais recente, adquirido em Arroio do Meio. Também oferta ferramentas e insumos por meio de agrocenters, que totalizam três unidades.

O resultado na cadeira produtiva do leite, aves e suínos no Vale ultrapassou as fronteiras por meio de exportação para 40 países do Continente Africano, Leste Europeu, Extremo Oriente e Caribe. No ano passado, a Languiru apresentou patrimônio líquido superior a R$ 11 milhões, 16% a mais em relação a 2014.

Associados - 6mil | Empregos - 2.850
Languiru: Associados – 6mil | Empregos – 2.850

A Hora – Qual a principal conquista da Languiru na cidade?
Dirceu Bayer – Foram várias conquistas nestes 60 anos de existência, mas talvez duas tenham sido marcantes para o desenvolvimento da Languiru e de Teutônia: a construção da primeira indústria de laticínios no bairro Languiru na década de 1960 e a construção do complexo formado pelos prédios do atual Agrocenter, antiga sede administrativa e pavilhão social também no bairro Languiru no ano de 1975 e inaugurados pelo então presidente da República, Ernesto Geisel.

Qual a meta da cooperativa para os próximos anos?
Bayer – Consolidar os investimentos realizados ao longo dos últimos anos e buscar alternativas para o crescimento do quadro social, gerando renda e emprego em toda a região. Especial atenção está sendo dada para atender a demanda do mercado consumidor e a viabilidade da pequena propriedade rural.

A Languiru tem apostado na sucessão familiar para a permanência do jovem no campo. Desde a iniciativa, qual o resultado dessa aposta?
Bayer – Os programas desenvolvidos para manter os jovens nas propriedades rurais têm possibilitado que a produção e a produtividade aumentassem muito. Registramos uma diminuição significativa na idade média dos produtores de aves, suínos e leite e especialmente o planejamento ordenado da sucessão familiar na propriedade, evitando conflitos entre gerações e consequente abandono dos negócios da família. Os associados têm respondido com produção suficiente para abastecer as novas plantas industriais que foram erguidas recentemente e dessa forma estão garantindo a continuidade das propriedades e da cooperativa.


“A relação do Sicredi com Teutônia é muito forte”

A Sicredi Ouro Branco é outro pilar econômico. Com 19 unidades de atendimento no estado, reúne mais de 55 mil associados e garante que os recursos administrados permaneçam em cada comunidade.

Hoje a cooperativa de crédito administra R$ 1,2 bilhão e tem patrimônio líquido superior a R$ 126 milhões. Conforme o diretor-executivo Neori Ernani Abel, a economia da cidade cresce e a instituição financeira sente o impacto positivo.

Sicredi: Associados - 55.131 | Empregos - 250
Sicredi: Associados – 55.131 | Empregos – 250

A Hora – O que a Sicredi espera da projeção econômica de Teutônia?
Neori Ernani Abel – Acreditamos que Teutônia continuará sua trajetória de destaque na região como uma das principais economias do Vale. Em virtude de sua diversificação, é competitiva, com condições de enfrentar eventuais adversidades.
Uma economia alicerçada em um setor industrial bem desenvolvido, com produção agropecuária que é capaz de alcançar índices de produtividade excelentes, aliada a um setor de prestação de serviços competitivo, indica que Teutônia continuará em desenvolvimento.

A Sicredi Ouro Branco é uma cooperativa que cresceu em paralelo com o município. Qual o segredo para o sucesso conjunto?
Abel – A relação do Sicredi com Teutônia é muito forte, pois a fundação da cooperativa foi no mesmo ano da emancipação do município. Estes 35 anos marcam a união de forças em prol da comunidade. Uma história de muito trabalho, desenvolvimento e prosperidade escrita por muitas mãos.

De que forma a Sicredi Ouro Branco contribui para a comunidade?
Abel – A Sicredi, como sociedade de pessoas, tem no cumprimento de sua missão contribuir para uma sociedade melhor e mais justa, por meio do relacionamento e oferecendo soluções financeiras para agregar renda e assim efetivamente contribuir para a melhoria da qualidade de vida dos associados e da sociedade.


Certel: cooperativa que iluminou a emancipação

A inauguração da quarta hidrelétrica da cooperativa Certel marcou o aniversário de 60 anos. No distrito de Cazuza Ferreira, em São Francisco de Paula, expandiu a área de atuação. Hoje são 48 municípios com infraestrutura energética e 70 mil pessoas beneficiadas com o serviço.

Além de ser referência no abastecimento de energia, a cooperativa ampliou os serviços para distribuir sinal de internet em 95% da cidade. Cerca de 4.250 clientes estão conectados à rede por meio da CertelNet.

A Certel Artefatos de Cimento, além de produzir e vender postes de concreto com até 40 metros de altura para o mercado gaúcho de energia, disponibiliza blocos de concreto, pisos intertravados para a pavimentação, construção civil e postes para loteamentos. No varejo, as três lojas em Canabarro, Languiru e Teutônia ofertam móveis, eletrônicos e permitem aos associados realizarem cadastros.

Certel: Associados - 70 mil em 48 municípios (45.711 no Vale do Taquari)
Certel: Associados – 70 mil em 48 municípios
(45.711 no Vale do Taquari)

A Hora – Qual a ligação entre Teutônia e a cooperativa que expandiu-se para 48 municípios?
Erineo Hennemann – É com muito carinho que avaliamos esta relação duradoura entre a Certel e o município. A energia elétrica que passou a ser fornecida pela Certel, inicialmente aos moradores de Teutônia e, depois, a outros foi essencial por possibilitar o crescimento e a alavancagem da região.

Aliás, Teutônia tem uma acentuada vocação para o cooperativismo, tendo em vista que cooperativas de outros ramos também se desenvolveram e hoje representam importantes mecanismos de pujança, como a Languiru, no ramo agropecuário, a Sicredi Ouro Branco, no crédito rural, entre outras mais recentemente constituídas.

Quais são os projetos da Certel?
Hennemann – A cooperativa pretende manter-se focada na qualidade e na confiabilidade do fornecimento de energia elétrica e seus demais serviços aos seus associados. Existem outros projetos de usinas a serem construídas, cinco somente no Rio Forqueta, onde já temos duas.

A situação econômica propõe mudanças. A direção sentiu algum impacto nas finanças? Qual planejamento para equilibrar?
Hennemann – É necessário, mesmo diante dos maiores obstáculos, acreditar, lutar e jamais desistir. Inseridos num ambiente desafiador, também sentimos os efeitos da economia instável que assola o país. Com uma crise econômica, política e moral de demasiada proporção, é importante jamais perder o foco, acreditando e agindo, de fato, para o regresso da estabilidade.

Leia mais

• Cooperativismo exala desenvolvimento

• Campo e cidade garantem a renda

• Administrar três centros urbanos desafia a gestão

• Frota aumenta e número de acidentes dispara

• Colonizadores ensinaram a cantar e encantar

• Via Láctea não acompanha desenvolvimento

Notícias relacionadas
Polícia

Quatro pessoas são presas após roubo nas Lojas Americanas

Brigada Militar seguiu o veículo pela BR-386 e recuperou os objetos roubados

Lajeado

Presente de 50 anos: Univates é reconhecida como melhor universidade privada do Sul do país

Dados foram divulgados nesta quinta-feira pelo Ministério da Educação (MEC)

País

Governo sanciona lei que aumenta limite do saque imediato do FGTS para R$998

Entretanto, só poderão sacar esse valor os trabalhadores que tinham o saldo de até um salário mínimo na … Leia mais