Versão Impressa

Jornal A Hora

Vale do Taquari

Publicada em 06/07/2017

Crise do leite provoca debate estadual

Autoridades gaúchas discutem medidas para conter a importação de leite em pó

Cadeia leiteira é uma das bandeiras do projeto Pensar o Vale. Último painel sobre o setor ocorreu no ano passado, em Anta Gorda
Cadeia leiteira é uma das bandeiras do projeto Pensar o Vale. Último painel sobre o setor ocorreu no ano passado, em Anta Gorda

O aumento das importações de leite em pó uruguaio no RS trouxe graves prejuízos para a cadeia leiteira gaúcha. Dados do Codevat apontam que 15% dos produtores deixaram a atividade no último ano devido à queda nos preços pagos pela indústria.

Diante da representatividade da produção leiteira na economia do Vale do Taquari, o jornal A Hora promove, no dia 13, mais uma edição do Pensar o Vale. Autoridades gaúchas debaterão sobre os rumos e desafios da cadeia leiteira no RS.

Para a presidente do Codevat, Cintia Agostini, a discussão sobre o tema é fundamental diante da redução expressiva do número de agricultores que abandonaram o setor. Segundo ela, os índices da Emater Vales do Taquari e Caí apontavam 7.850 produtores em 2015. Em 2016, restaram pouco mais de seis mil.

Conforme Cintia, o êxodo na atividade é resultado direto da mudança nas alíquotas de importação do governo do Estado, que passou de 18% para 4%. “A medida tornou vantajoso importar o leite em pó, resultando na queda de 15% no preço pago ao produtor.”

04_AHORA2

Segundo ela, entre janeiro e maio, as indústrias gaúchas adquiriram US$ 9 milhões em leite em pó importado. O estado é o principal destino do produto no país. Em segundo lugar, aparece São Paulo, que importou US$ 5,7 milhões no mesmo período.

Diretor de Conteúdo do A Hora, Fernando Weiss acredita que a discussão precisa ser ampliada para que se encontre uma solução para esse cenário. Ressalta que o impacto econômico social de mais uma crise exige uma discussão mais ampla e integrada de todos.

“É uma das principais fontes de renda no campo e uma das poucas atividades capazes de garantir a sucessão nas propriedades”, aponta. O debate ocorre às 8h30min, no auditório do prédio 20 da Univates. O evento é aberto ao público e gratuito.

Secretário de Agricultura de Estrela, José Adão Braun ressalta o trabalho das entidades da região em tentar reverter esse quadro. Segundo ele, a situação é preocupante porque a importação de leite em pó, em especial do Uruguai, não cessa, provocando graves danos à cadeia produtiva do Vale.

“Esse leite é misturado com água e vendido no mercado como se fosse produzido aqui”, aponta. Conforme Braun, essa situação desequilibra o mercado e provoca o rebaixamento do preço pago ao produtor.

De acordo com o secretário, no ano passado, entraram no RS mais de duas mil carretas, cada uma com 25 toneladas do produto. Cada quilo de leite em pó resulta em 8,5 litros do produto reidratado. “Ninguém é contra importar, mas não em volume que comprometa a atividade.”

Lembra que nos últimos anos os agricultores realizaram investimentos significativos em genética animal, sanidade, equipamentos, dieta e instalações. Segundo ele, as agroindústrias exigem uma produção e um manejo adequado. “Houve um endividamento para encontrar as soluções, e agora enfrentamos essa concorrência desleal.”

Agende-se (o evento é gratuito e aberto ao público)

O quê: Debate Pensar o Vale
Tema: Os rumos e desafios da cadeia leiteira no RS
Local: Auditório do Prédio 20 da Univates
Horário: 8h30min

Notícias relacionadas
País

Inscrições para o Sisu poderão ser feitas a partir de 21 de janeiro

Matrícula em universidades deverá ser feita de 29 de janeiro a 4 de fevereiro de 2020

Cidades

Comissão mista amplia fundo eleitoral para R$ 3,8 bilhões

Valor é quase dobro dos R$ 2 bilhões previstos inicialmente. Proposta precisa ser aprovada no Congresso

Santa Clara do Sul

Servidora é exonerada após tentar contratar show em nome do município

Dois jovens tentaram contratar Luan Santana e MC Kekel. Servidores estranharam quando receberam ligações das… Leia mais