Versão Impressa

Jornal A Hora

Estrela

Publicada em 13/08/2019

Ataques a cemitérios revoltam moradores do interior de Estrela

Em duas semanas, foram registrados cinco casos de furto em dezenas de sepulturas

Crédito: fábio kuhn Maria e Oscar Schneider lamentam furto de cruz na sepultura de parentes
Maria e Oscar Schneider lamentam furto de cruz na sepultura de parentes

“Do jeito que está logo vão tirar os mortos do túmulo para roubar também”, lamenta Maria Ivone Schneider, 79, ao ver a sepultura danificada da filha no cemitério católico de Linha Lenz, interior de Estrela. “É uma tristeza ver a lápide assim”, complementa o marido Oscar.

O casal foi até o local ontem, 12, para averiguar os estragos. Ao total, cerca de 30 sepulturas foram alvo dos ladrões com o roubo das cruzes. Familiares de sepultados perceberam o crime na sexta-feira, 9.

No sábado, 10, outra comunidade que sofreu com o furto de crucifixos, letreiros e molduras foi a Linha Santa Rita. Os ladrões aproveitaram a proximidade e arrancaram materiais metálicos das sepulturas nos cemitérios católico e evangélico.

A comunidade estima que o crime ocorreu na noite de sexta-feira. O número de túmulos danificados não foi divulgado.

Com essas três ocorrências, somam-se cinco ataques nos cemitérios do interior de Estrela. Outros dois ocorreram no fim de julho no Cemitério Evangélica da Beija Flor, em Costão e cemitério católico de Linha São José.

10_AHORA

Sem suspeito

A semelhança dos crimes, todos realizados à noite com furtos de objetos metálicos, e proximidade dos cemitérios faz o delegado da Polícia Civil de Estrela, Juliano Stobbe, cogitar a possibilidade dos ataques terem sido realizados pelo mesmo grupo criminoso. “O modus operandi é o mesmo. Mas não se pode afirmar com total certeza que apenas um grupo realizando os crimes”, sustenta.

Por enquanto não há suspeitos para os crimes, destaca o delegado. “Não houve testemunha em nenhum dos crimes e não chegaram para nós, até o momento, imagens de câmeras de segurança”, ressalta.

Conforme Stobbe, os objetos metálicos e de bronze conspurcados dos túmulos são derretidos ou até recolocados no mercado como sucatas. O fato dos cemitérios estarem em locais sem vigilância facilita a ação dos bandidos, percebe.

 

FÁBIO KUHN – fabiokuhn@jornalahora.inf.br

Notícias relacionadas
Vale do Taquari

Papai Noel chega de trem ao Vale

Locomotiva decorada para o Natal passou por quatro municípios nessa quarta-feira. Sábado é a vez de Roca … Leia mais

Lajeado

Sentença de Kayser é confirmada de forma parcial pelo TJ-RS no caso das multas

Tribunal confirma a sentença da 1ª Vara Criminal da Comarca de Lajeado, mas afasta a perda de cargo, funçã… Leia mais

Mapa da Cidade

Morte de gatos intriga moradores

Recentemente, quatro felinos foram encontrados mortos no bairro Conventos. Suspeita é de envenenamento