Versão Impressa

Jornal A Hora

Estado

Publicada em 28/05/2016

Governo e entidades debatem ocupações

Alunos da Érico Veríssimo mantêm mobilização

Crédito: Thiago Maurique Na única escola ocupada no Vale, estudantes receberam autorização dos pais
Na única escola ocupada no Vale, estudantes receberam autorização dos pais

Uma reunião entre o secretário de Educação Vieira da Cunha e representantes do Ministério Público, Defensoria Pública, Procuradoria Geral do Estado, Conselho Tutelar, Conselho Estadual de Educação e a Federação de Associações de Pais e Mestres discutiu a atuação do governo frente às ocupações das escolas gaúchas.

Realizado nessa sexta-feira, 27, o encontro foi sugerido após a confirmação de que mais de cem colégios haviam sido tomados por alunos que exigem melhores condições de ensino e apoiam a greve do magistério.

No Vale do Taquari, estudantes da escola Érico Veríssimo, em Lajeado, seguem mobilizados. De acordo com a presidente do grêmio, Agatha Chaves, cerca de 16 alunos passam as noites na escola e se revezam durante o dia. Neste sábado à noite, eles realizam um jantar coletivo com participação de representantes da comunidade escolar.

Conforme Agatha, a ocupação deve seguir por tempo indeterminado, apesar da resistência da direção da escola ao movimento. Segundo ela, a internet wi-fi foi cortada desde segunda-feira, 23, e o acesso à cozinha fora do horário de aula também foi impedido.

Os alunos receberam a doação de um fogão improvisado e um botijão de gás para preparar as refeições. “Desde quarta-feira, não podemos nem ligar o ar-condicionado para amenizar o frio.”

Os estudantes dizem ainda que parte dos professores tenta enfraquecer o movimento, ameaçando marcar provas e passar novos conteúdos. Mesmo assim, garantem que a maioria dos alunos segue paralisada.

“Na média, de dois e cinco alunos comparecem às aulas por turma. Os demais, ou ficam em casa ou integram a mobilização. Estão tentando nos vencer no cansaço, mas não vão conseguir”, ressalta Agatha. Segundo ela, os estudantes recebem apoio de parte dos educadores e de pais, que assinaram autorizações permitindo a participação dos jovens na ocupação.

Movimento autônomo

Os alunos que ocupam a Érico Veríssimo garantem que o movimento não tem vinculação com partidos políticos ou sindicatos de trabalhadores. “Algumas pessoas criticam dizendo que estamos sendo influenciados, mas não permitimos nenhum tipo de interferência”, afirma a presidente do grêmio.

Conforme Agatha, a intenção de manter uma mobilização permanente foi construída devido ao dinamismo das reivindicações. “A cada reunião, alunos fazem novos pedidos e apresentam propostas diferentes. Outras acabam saindo da pauta de reivindicações.”

Segundo ela, o principal objetivo do movimento é melhorar as condições de ensino. “Os mesmos alunos que ajudaram a pintar e fazer pequenos reparos no colégio nas férias são os que agora participam da ocupação.”

Plenária do Cpers

Nesta segunda-feira, 30, os professores gaúchos realizam uma plenária em frente ao Palácio Piratini, em Porto Alegre. De acordo com o presidente do 8º Núcleo do Cpers, Oséas Souza de Freitas, parte dos servidores ficará em vigília até terça-feira, 31, data em que o governo prometeu resposta às reivindicações da categoria.

A reunião começa às 10h. Às 14h, os professores se reúnem em frente à Assembleia Legislativa.

Protestos na segurança

Também na segunda-feira, servidores da segurança pública promovem protesto contra o descaso do governo gaúcho com o setor. De acordo com a representante do Sindicato dos Policiais Civis (Ugeirm), Magda Lopes, policiais da região acompanharão a mobilização, que inicia às 10h no Aeroporto Salgado Filho.

As entidades distribuirão panfletos para a população com com denúncias sobre a falta de investimentos no setor. A partir das 14h, o movimento se reúne no auditório Dante Barone, na Assembleia Legislativa, para discutir projeto que prevê a terceirização de atividades da administração pública.

Conforme Magda, a população precisa saber a real dimensão dos problemas enfrentados no setor. “A criminalidade está desta forma, não por falta de empenho dos servidores, mas pela ausência de investimentos.”

Notícias relacionadas
LAJEADO

Curso de Odontologia da Univates recebe nota máxima do MEC

Os critérios avaliados foram a organização Didático-Pedagógica, Corpo Docente e Tutorial e Infraestrutura… Leia mais

Educação

Enem libera notas nesta sexta-feira

Quase 4 milhões de participantes terão acesso aos resultados

Estado

Piratini recua e estuda não votar pacote em janeiro

Incerteza com relação ao número de votos para aprovação de sete projetos na Assembleia Legislativa motiva… Leia mais