opinião

Jonas Ruckert

Jonas Ruckert

Diretor do Colégio Teutônia

Assuntos e temas do cotidiano

Em meio ao contexto há um regozijo: é Dia das Mães!

Por

Pensar O Vale

Experimentei diferentes temáticas e exercitei muitos pensamentos para as próximas linhas. Contudo, a força da figura Mãe nesta semana de homenagens nas escolas me sequestra todos as intenções e não consigo pensar em algo, senão exercitar o desejo de expressar a dimensão dessa condição, desse lugar na vida de todos os filhos. A temática família/escola/relacionamentos tem ganhado notória atenção dada a preocupação que temos em torno da necessidade de evoluirmos com as ações e entendimentos em torno do assunto.
 
“Pai pode ser um diferencial. Mãe é essencial! ” Ao longo de mais de duas décadas em escola tenho afirmado que dentre as datas celebradas no calendário escolar o Dia das Mães precisa ser uma prioridade. Afinal, não há estudante que não tenha sido gerado por uma vida.
 
O mundo contemporâneo mudou algumas convenções… Fez das nossas mães profissionais. Mulheres expoentes, de grandes qualidades, admiráveis pelas suas capacidades de empreender, gerenciar, inovar, liderar e, junto a isso, serem Mães. Neste contexto todo chega também a tecnologia e ganhamos possibilidades de nos comunicar com agilidade, compartilhar experiências, registrar momentos, curtir amizades, seguir pessoas pelas redes sociais, entre tantas coisas mais.
 
Neste final de semana aproveito a coluna para fazer um grande apelo: Mães, as convenções do mundo moderno nem sempre são aquelas que estão no campo das necessidades de nossos filhos, de nossas famílias. Tenho visto crianças tristes porque têm em suas Mães estereótipos e referências de pessoas sem tempo, mas conectadas em tempo integral, sem entusiasmo em família, mas com sorrisos fartos para os amigos das redes sociais; sem sonhos de vida, mas com grandes desejos de consumo.
 
Meu apelo é por um pouco de atenção e disposição. O faço em nome dos filhos que clamam por isso e que nas escolas manifestam essas necessidades das mais variadas formas, comumente de maneira negativa. O faço porque percebo que a espiritualidade na família tem na Mãe papel relevante e condicionante naquilo que tange a manutenção de valores. Faço o apelo, porque nada neste mundo é tão grande e maravilhoso quanto a capacidade do coração de uma mãe transformar vidas. O faço porque tive o privilégio de ser alfabetizado pela Professora Hedi, minha Mãe, que durante muitos anos me levou até a cama, contou uma história bíblica, fez uma oração e me proporcionou noites abençoadas com beijos que jamais poderei esquecer. A essa Mãe, que há poucos dias perdeu seu companheiro de 54 anos de união, amparando-o em todas as suas necessidades, faço o singelo apelo.
 
Sempre é tempo para mudanças. “Só o amor pode transformar uma casa em lar! ” É o que penso. É minha opinião.
Obrigado a todas e todos que, na dimensão do papel de Mãe, o fazem com responsabilidade! Um abençoado final de semana! Um domingo maravilhoso! Que Deus os abençoe!

bravo