Imigrante

Artesanato ajuda a recuperar dependentes

Projeto possibilita opção de trabalho e renda para residentes de centro terapêutico

Por

Artesanato ajuda a recuperar dependentes

Fundado em 1995, o Centro Terapêutico São Francisco (CTSF) é uma entidade sem fins lucrativos, que acolhe homens maiores de 18 anos, com problemas relacionados ao uso, abuso ou dependência de álcool e outras drogas. Sua sede fica no bairro Imigrante, na rua Henrique Otto Scherer, 495, e a entidade vem realizando diferentes atividades ao longos dos anos.
Entre elas, uma horta é mantida em frente ao centro terapêutico, utilizada na laborterapia. Desta forma, os residentes têm como uma das tarefa cuidar da horta, produzindo alimentos para o próprio consumo, sendo parte deles doados para o programa Mesa Brasil Sesc. As mudas utilizadas para o plantio também são conseguidas por meio de doações.
A coordenadora do centro, Rafaela Mattos Rocha Pinto, começou o trabalhar na entidade em fevereiro de 2017 como consultora em dependência química. Desde março deste ano, está na coordenação. A equipe é composta por uma psicóloga e uma assistente social, além do monitor de dependência química, Emerson Rufatto.

Luz No Seu Caminho

As velas são feitas com instrumentos acessíveis facilitando a produção pelos residentes

As velas são feitas com instrumentos acessíveis facilitando a produção pelos residentes


Rafaela explica que a instituição busca o aperfeiçoamento físico, emocional e profissional dos residentes e, para isso, recebe a ajuda de muitos voluntários.
Entre eles, a diretora do centro, Roseli Rocha Mattos, e a artesã Eliana Charlote Mattos Rocha, que desenvolve o projeto Luz No Seu Caminho desde 2017. Ela ministra oficinas de confecção de velas artesanais, possibilitando que os residentes conheçam o processo e vejam a possibilidade de trabalho e geração de renda quando forem inseridos na sociedade.
Eliana explica que sempre teve vontade de prestar serviços voluntários e conheceu a oficina de artesanato faz cerca de dois anos, por meio de uma amiga que auxiliava o Centro Terapêutico São Francisco.
Na época, os materiais utilizados eram madeiras e reciclados. A ideia de começar com a confecção de velas surgiu com a possibilidade de reverter o trabalho em renda. Hoje todo o valor arrecadado é destinado a compra dos materiais. Eliana conta que as velas já foram utilizadas inclusive em um aniversário de 80 anos de uma senhora.
“É interessante, porque assim que saírem do centro eles vão precisar trabalhar, e essa é uma forma de recomeçar”, entende Eliana. Por isso, os instrumentos utilizados para confeccionar as velas aromatizadas são as mais baratos possíveis e muitas vezes recicláveis.
Na festa organizada pela Associação de Moradores do bairro em julho, algumas velas foram vendidas. A ideia é que o artesanato também possa ser comercializado no Arte na Praça, que ocorre no segundo domingo de cada mês, na Praça do Papai Noel, no bairro Americano.
De acordo com Rafaela, a internação no centro terapêutico tem a duração de quatro meses, podendo se estender mais dois meses, se necessário. Ela é feita nas modalidades particular e convênio com a administração de Lajeado.
 

BIBIANA FALEIRO – bibiana@jornalahora.inf.br

bravo