opinião

Jonas Ruckert

Jonas Ruckert

Diretor do Colégio Teutônia

Assuntos e temas do cotidiano

Desprendimento é…

Por

Pensar O Vale

Neste primeiro texto do ano minha saudação e desejos de um vibrante 2020.
Terminamos 2019 com preocupações que não evaporaram em 31/12. Adentramos 2020 com grandes expectativas que neste momento são minimizadas pela estiagem que castiga o setor primário, pela instabilidade política e, portanto, diplomática na relação com Estados Unidos e o contexto do Oriente Médio, pela equivocada forma dos políticos avaliem a data de corte para ingresso de crianças no Ensino Fundamental e pelas questões de todas as ordens que, no entorno, seguem nos desafiando para o ano em questão.
A boa notícia é que estamos vivos e nos foi concebida a possibilidade de mais um ano. Então a pergunta é: o que faremos dele?
Desprendimento é desapego. Essa me parece uma boa proposta para 2020. Afinal, temos carregado “nosso carrinho existencial” com uma série de questões que pouco nos ajudaram em 2019. Aliás, nos atrapalharam frente ao tamanho de angústias e ansiedades que nos geraram. E estas, por sua vez, denotaram para outras questões.
No dia de hoje o Conjunto Instrumental do Colégio Teutônia viaja para a sua terceira turnê na Europa. Crianças e jovens de 09 a 18 anos acompanhados de professores e da cantora Laura Dalmás estão levando nossa cultura, nosso jeito de ser, evidenciados pela leveza do repertório que será executado nos Concertos no velho continente.
Acompanhando viajarão 20 pais, totalizando 50 pessoas. O que pude perceber na organização desse projeto foi um alto grau de desprendimento mediado por lucidez e reflexão para com as coisas deste mundo consumista. O projeto será financiado por cada família que de forma desprendida encarou o desafio percebendo a singularidade da formação educativa, cultural, linguística, social… Avalio a decisão de cada família sob a perspectiva do investimento educacional, da formação. Não estão como peixes no vidro do aquário esperando que alguma coisa caia na água ou algo se forme no vidro. É desprendimento mesmo, desapego puro na intenção de possibilitar algo para vida. Isso significou abrir mão da praia, da troca do carro, da compra da geladeira dos sonhos, do aquecimento da piscina…
O ano recém começou. É período de férias, oportunidade para bons momentos de entretenimento, descanso, lazer e, por que não de reavaliar algumas questões bem práticas na relação com a vida e com nosso viver?
Desprendimento é uma característica fortemente percebida em grandes líderes. Já a incapacidade do desapego se manifesta no campo da mediocridade humana. Isso não é uma acusação. Mas, uma conclusão de profissionais que se ocupam com estudos relacionados ao comportamento humano.
Proponho uma tentativa a cada um que lê essa coluna e garanto que o primeiro sintoma que se manifesta junto ao desapego é a felicidade. Experimente! É o que penso. É minha opinião.

bravo