RISCO DE EPIDEMIA

Focos de aedes aegypti crescem e colocam Teutônia em alerta

Ao todo, são 16 focos do mosquito conforme levantamento deste mês. Quase metade se concentra no Bairro Languiru

Por

Focos de aedes aegypti crescem e colocam Teutônia em alerta
Levantamento feito no início de fevereiro constatou 16 focos do inseto transmissor da dengue e outras doenças
Teutônia
Pensar O Vale

A Vigilância Ambiental do município realizou, entre 3 e 7 de fevereiro, o levantamento de índice rápido (Liraa), em todos os bairros, e detectou 16 focos do mosquito Aedes aegypti, sendo quase metade no Bairro Languiru. O número é maior se comparado com edições anteriores.

No ano passado, a cidade registrou dois casos da doença, mesmo assim, a porção de larvas do mosquito encontradas nesse ano é preocupante, já que a quantidade de mosquitos aumentam significativamente após a confirmação de um caso.

Durante o Liraa, a Vigilância Ambiental, através das agentes de combate de endemias e em parceria com os agentes comunitários de saúde, percorreu pátios para coletar larvas e verificar as condições dos terrenos.

No Bairro Centro Administrativo, Canabarro e Alesgut três tubitos apresentaram larvas do Aedes. Já nos bairros Teutônia e Boa Vista não foram encontradas.

População convocada
Durante o Liraa as famílias receberam orientações sobre os perigos, além serem informadas da importância de eliminar todos os criadouros do mosquito, como recipientes que armazenam água da chuva, vasos de flor e bromélias.

Por isso, as Vigilâncias Ambiental e Sanitária convocam todos para cuidados em seus pátios. “As doenças produzidas pelo Aedes não escolhem classe social. Com isso, é preciso salientar a recente entrevista do Ministro da Saúde em que ele adverte que os casos de dengue são mais preocupantes em 2020. Tal afirmativa, refere-se ao aumento de casos confirmados de dengue em 2020, em torno de 71% a mais que o mesmo período de 2019”, expõe o coordenador da Vigilância Ambiental, Evandro do Canto Borba.

Alerta para todo o Vale do Taquari
Em janeiro deste ano, a Secretaria Estadual de Saúde (SES) alertou para o risco de uma epidemia em todo o Estado. No Vale do Taquari, dos 38 municípios, 22 foram considerados infestados, quando são encontradas larvas do mosquito.

bravo