Edição 08/04/2020 Edição impressa

Terça-Feira08 de Abril, 2020

opinião

Rodrigo Martini

Rodrigo Martini

Jornalista

Coluna aborda os bastidores da política regional e discussão de temas polêmicos

Políticos apostam contra a cultura!

Por

Vale do Taquari
Eleições 2020

Eu sou gremista. Eu visto azul, preto e branco. E todos sabem que o grande rival do tricolor é o não menos grandioso Sport Club Internacional. Eles vestem o vermelho e o branco. Esse jogo de cores mexe com a superstição dos torcedores. Nós evitamos o vermelho. E da mesma forma eles abominam o azul. Eu abri uma única exceção em minha vida, ainda criança, e a mantenho até hoje. No carnaval carioca, eu sou Acadêmicos do Salgueiro.

O ano era 1993. E o samba-enredo entoado Brasil afora pelo puxador Quinho garantiu o título do Salgueiro na famosa Sapucaí. Todos lembram. “Explode coração, na maior felicidade, é lindo meu Salgueiro, contagiando e sacudindo esta cidade”. Por suas cores, a escola de samba também é conhecida como “Vermelho e Branca”, mas era impossível deixar de curtir aquela melodia denominada “Peguei um Ita no Norte”. Deixei a “Grenalização” de lado.

Apesar dessa paixonite pelo Salgueiro, eu não sou um grande fã do carnaval. Dificilmente assisto aos desfiles e tampouco participo de blocos e afins. Mas tenho a noção da importância dessa festa popular para milhões de brasileiros. É uma cultura que movimenta multidões em todos os cantos do país, gerando alegria, diversão, solidariedade, companheirismo, e, também, muito emprego e renda.

Todo o mundo reconhece o potencial econômico e social do nosso carnaval. A criatividade e o romantismo que transformam as melodias em expressão popular de alegria, amor e até mesmo devaneios espirituais atraem turistas do mundo inteiro. Diante de tudo isso, é curiosa a postura de alguns políticos que, nessa década, iniciaram uma fervorosa campanha de criminalização do carnaval. Políticos de Direita e de Esquerda, diga-se de passagem.

Não é difícil entender as razões que levam um gestor público a menosprezar – e criminalizar, reforço – um produto tão peculiar e tão valioso. Isso é politicagem pura e barata. É “sambar” em uma avenida de populismo cínico e oportunista. É brincar com a inteligência do eleitor, que muitas vezes se deixa levar pelos discursos rasos de políticos ainda mais rasos. É jogar o jogo de quem despreza a arte e a cultura do povão.

“Vamos usar na área da saúde os recursos que seriam gastos no carnaval”. “Vamos investir na educação o valor que investiríamos no carnaval”. São frases como essas, largadas a esmo para o grande público, que ajudam a criminalizar um patrimônio cultural brasileiro. Tratam o carnaval como o grande vilão da saúde e da educação. Apostam contra a cultura para angariar a simpatia ou o voto de quem compactua com o desprezo.

São irresponsáveis. Criam uma animosidade desnecessária entre simpatizantes e não simpatizantes. Tratam a cultura como lixo, e comprovam a falta de planejamento nas áreas da saúde e educação. É de dar dó. Respeito quem não gosta do batuque, quem não curte a passarela e até quem abomina por completo o carnaval. Mas contesto firmemente quem usa a principal festa popular do brasileiro para ofender e fazer politicagem barata.


Aniversário do PT

Cerca de 70 correligionários do Partido dos Trabalhadores do Vale do Taquari participaram de um ato de comemoração aos 40 anos da sigla. O encontro ocorreu na sexta-feira, na comunidade Nossa Senhora do Caravágio, no Bairro Planalto, em Lajeado. Além de novas filiações, o vereador lajeadense Sérgio Kniphoff ratificou seu nome como pré-candidato a prefeito do PT nas eleições municipais. Ex-prefeito Luís Fernando Schmidt não estava presente.


Caminhos e Polar

É gratificante ver o projeto Caminhos Autoguiados em Estrela, uma parceria entre Amturvales e Passeios da Colônia, com participação do Governo Municipal. E é mais gratificante ainda ver o percurso passar em meio aos prédios da antiga Cervejaria Polar. Da mesma forma, é impossível não recordar que este mesmo Governo Municipal insistiu na demolição de parte daquele acervo histórico e cultural da cidade, situação ainda pendente na Justiça.


Um nome ao novo parque

Surge uma nova possibilidade de nome para o futuro parque às margens do Rio Taquari, na área central e antiga de Lajeado: Parque Beira Rio. Ao menos é esta a nomenclatura apresentada em um card publicado pelo Governo Municipal nas redes sociais (imagem). São pelo menos outras duas sugestões, ambas homenageando figuras ilustres e históricas da cidade: Antônio Fialho de Vargas e Ney Santos Arruda.

Sobre Vargas e Arruda, o debate é conduzido na Câmara de Vereadores. Ildo Salvi (REDE) e Sérgio Kniphoff (PT) são os autores dos projetos que sugerem as respectivas e justas homenagens. E por tratarem do mesmo assunto, as propostas serão analisadas pelo presidente da Comissão de Justiça e Redação, vereador Eder Spohr (MDB), e pelo Assessor Jurídico do Legislativo, o advogado Gustavo Heinen.


Exemplo de inovação!

Morreu nesse domingo o Diretor de Tecnologia da Interact Solutions, Thomas Spriestersbach, um dos sócios-fundadores da empresa de pesquisa e desenvolvimento de softwares com sede em Lajeado. Nascido em 1963, em Braubach, na Renânia-Palatinado (Alemanha), atuava na área de informática desde 1981, com foco no desenvolvimento de sistemas para computação gráfica e aplicações corporativas. Vivia em Lajeado desde 1999. Nossos sentimentos aos amigos, colegas e familiares!


PL em Lajeado

Nessa segunda-feira, o vereador Paulo Tóri (PPL) visitou o deputado federal Giovane Cherini (PL) em Porto Alegre. Na pauta, a filiação do legislador lajeadense no Partido Liberal. “O ´namoro´ está bastante avançado”, afirma a coordenadora regional da sigla, Renata Becker, que também não descarta lançar um candidato a prefeito na cidade.

bravo