opinião

Rodrigo Martini

Rodrigo Martini

Jornalista

Coluna aborda os bastidores da política regional e discussão de temas polêmicos

O iceberg e o álcool gel

Por

Vale do Taquari
Pensar O Vale

Ninguém tem certeza sobre o que vem pela frente nas próximas semanas. Na capital gaúcha, já foram registrados indícios de desabastecimento de alimentos e produtos em supermercados. No Vale do Taquari, a busca pelo abençoado álcool gel tomou proporções tragicômicas. Preços abusivos e compras individuais em grandes e absurdas quantidades são ações já registradas no comércio, e que temerosamente andam na contramão da solidariedade.

Por outro lado, também há registros de profundo entendimento acerca do grave problema. Em Lajeado, por exemplo, uma farmácia de manipulação produz o tão cobiçado produto. E no momento de vender ao publico, uma exigência: apenas dois frascos por cliente. Outros poucos comerciantes também atentaram para essa necessidade. O intuito, claro, é fazer com que o produto chegue ao maior número de pessoas possível. Mas essa iniciativa, em um mundo ideal, deveria partir do próprio cliente.

Entretanto nós vivemos em um Brasil ainda desacostumado a lidar com esse tipo de situação. Somos um país egoísta por natureza. É uma questão cultural de um povo “carente” de grandes tragédias humanitárias, como as sangrentas guerras entre nações europeias e seus genocídios, por exemplo, que foram capazes de moldar um espírito muito mais coletivo entre os povos dos principais países do Velho Continente.

Mas o Brasil têm suas próprias tragédias nacionais. E isso, por si só, já deveria causar uma empatia comunitária muito mais pulsante entre todos os brasileiros. Temos muitos motivos para desenvolver uma nação mais solidária, mas nossos bons exemplos ainda são escassos. E mesmo agora, diante da iminente pandemia do novo coronavírus, seguimos melancolicamente indiferentes à solidariedade necessária. O álcool gel é apenas a ponta do iceberg.


Sessão atípica

Foi uma tarde tensa na Câmara de Lajeado. Além da sessão atípica – sem público e com vereadores distantes uns dos outros –, a presença de um Assessor Parlamentar no ambiente gerou apreensão. Ele voltou faz poucos dias de uma viagem pela Argentina, e alguns colegas estavam temerosos. Muitos optaram por não dividir a sala com ele.
No entanto, o presidente Lorival Silveira (PP) garante que ele cumpriu todas as recomendações médicas pós-viagens, e afirma que o assessor não apresenta sintomas compatíveis com o novo coronavírus. Ainda sobre a Câmara de Lajeado, a Assessora de Imprensa, Carolina Gasparotto, trocou o MDB pelo PSB na mesma tarde de ontem.


Salários do prefeito

A Câmara de Estrela acertará ao incluir os vencimentos do prefeito e vice-prefeito no projeto de redução salarial. Hoje, o chefe do Executivo estrelense recebe um dos maiores subsídios entre prefeitos do Estado, e quiçá do Brasil: R$ 28,8 mil. Proporcionalmente ao tamanho das cidades no RS, e levando-se em conta que Estrela possui menos de 35 mil habitantes, podemos afirmar que um dos empregos mais bem pagos do Brasil fica aqui no Vale do Taquari.


Reviravolta

Em Arroio do Meio, a vereadora Helena Matte (MDB) deve concorrer à reeleição. Semanas atrás, a tese era de que ela desistiria do pleito para dar espaço ao sobrinho, Gustavo Zanotteli, atual Secretário de Saúde do município. Entretanto, ele deve atuar como um dos principais coordenadores na campanha à reeleição do atual prefeito, Klaus Schnack (MDB), o que lhe garantiria de antemão uma vaga no alto escalão do governo em caso de novo mandato.


PSD e PTB em Estrela

Aos poucos as dobradinhas vão se acertando em Estrela. Ainda ocupando o cargo de Secretário da Saúde, Elmar Schneider é o pré-candidato a prefeito pelo PTB. Já o presidente da APAE, João Carlos Schäfer, deve mesmo ser confirmado como candidato a vice-prefeito. Ele segue sem partido, mas deve acertar-se com o PSD. O anúncio oficial está previsto para a próxima semana, com a presença do Deputado Federal, Danrlei Hinterholz (PSD).


Inovação

A Univates tem novamente um representante na diretoria da Rede Gaúcha de Ambientes de Inovação (Reginp). Michel Machado, gestor da Incubadora Tecnológica da Univates (Inovates), agora é diretor Administrativo-Financeiro da rede. Ele permanece no cargo por dois anos. A eleição foi realizada por votação dos associados. No biênio 2018-2019, Simone Stülp, diretora da Diretoria de Inovação e Sustentabilidade da Univates, esteve na mesma função.


Mariela na Cultura

A possibilidade da vereadora Mariela Portz (PSDB) assumir a Secretaria de Cultura, Esporte e Lazer de Lajeado (Secel) ganha força nos bastidores. Ela ainda não conversou com o prefeito Marcelo Caumo sobre o assunto, mas ele deve gostar da ideia. A mudança decorre da iminente saída do atual secretário, Carlos Reckziegel (PSDB), que vai deixar o cargo para concorrer a vereador. Ele é favorável à movimentação. “Seria muito bom”, atesta. E, se assim for, o suplente Nestor Dessoy (foto) assume a cadeira dela no plenário da Câmara.


Ampliação do Parque

Em Encantado, segue o debate sobre a ampliação do Parque João Batista Marchese. Nessa semana, a Câmara de Vereadores recebeu correspondência encaminhada pelo GAN Anita Garibaldi, em apoio ao Projeto de Lei que visa a compra de uma área de terras contígua ao parque. Presidente da Câmara, Diego Pretto (PP) questiona a negociação que envolve mais de R$ 3 milhões. Segundo ele, a rede de alta tensão impede empreendimentos no local.


MP investiga Clínica

O Ministério Público de Encantado instaurou inquérito civil para apurar supostas “irregularidades referentes ao alvará de licenciamento da Clínica Terapêutica Novo Começo Ltda., bem como outras irregularidades constatadas em vistoria realizada no local”. O processo está em fase de averiguações. O espaço recebe recursos públicos, e por isso a relevância do fato. O Governo de Lajeado, por exemplo, foi obrigado judicialmente a custear a internação de um adolescente, em 2018, a um custo total de R$ 76,5 mil por um período de oito meses.

bravo